Furacão Paulette atinge Caribe

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de setembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Paulette no dia 13 de setembro

O furacão Paulete se aproximou do Caribe ontem (13/09), onde começou a atingir as Ilhas Bermudas com mais intensidade no meio da tarde. Numa matéria atualizada temporariamente, ontem às 15h (em horário local) o jornal The Royal Gazette (TRG) reportou em seu website que o fenômeno havia feito os primeiros estragos nas Ilhas, deixando centenas de pessoas sem luz na região de Lover's Lane, em Paget, e em Devonshire.

Os serviços meteorológicos, incluindo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC - NOAA), estimavam que o olho do furacão tocasse terra nas Bermudas hoje cedo e o TRG reportou ontem à meia-noite que os meteorologistas ainda acreditavam que os ventos pudessem se intensificar durante a madrugada. Pouco antes da 1h de hoje, a Organização de Medidas de Emergência bermudense emitiu "alerta vermelho", hora em que o furacão estava classificado como Categoria 1 (C1), com ventos de cerca de 150Km/h (80 nós).

O olho do furacão tocou o país entre às 4h e depois, enquanto se afastava, os ventos voltaram a se intensificar. Segundo o TRG, às 8h (horário local) de hoje, 23.000 pessoas estavam sem luz nas Bermudas.

Não há relatos de mortos ou feridos e os ventos perderam força durante o dia.

Rumo a outros países caribenhos

Segundo o NHC-NOAA, o Paulette segue rumo às Grandes Antilhas, Bahamas e a costa Leste dos Estados Unidos (EU).

Pela manhã, o furacão já provocava ondas fortes nas Ilhas de Sotavento, Grandes Antilhas, Bahamas e na costa Leste dos Estados Unidos, de acordo com o Public Advisory 30A do NHC.

Cinco tempestades ativas

Tempestades no Atlântico Norte na manhã de 14 de setembro de 2020

Hoje pela manhã havia 5 fenômenos importantes ativos no Atlântico Norte: a tempestade tropical Sally, no norte do Golfo do México; o furacão Paulette; a depressão tropical Rene, a Leste da costa dos EU; a tempestade tropical Teddy, bem a Leste da América Central; e a depressão tropical 21, ainda próxima do Oeste da África.

Durante a tarde, Sally acabou se intensificando e se transformando num furacão, com alertas sendo emitidos pelo NHC para a costa da Louisiana e da Flórida. A depressão tropical 21 também se intensificou e, quando seus ventos chegaram a 60km/h, recebeu o nome de Vicky. Enquanto isto, Rene, segundo o NHC, está se dissipando no Atlântico.

De acordo com o NHC, também há dois distúrbios (em amarelo no mapa ao lado) com pequenas possibilidades de se transformarem em tempestades tropicais ou furacões. Se alcançarem ventos sustentados de 60km/h, receberão nome, numa das temporadas de furacões mais ativas no Atlântico dos últimos anos.


Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com