França relata nova variante COVID-19 a 'IHU'

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Modelo atômico cientificamente preciso da estrutura externa do SARS-CoV-2. Cada "bola" é um átomo

5 de janeiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Ontem, 12 casos de uma nova variante COVID-19 foram encontrados perto da cidade francesa de Marselha. A variante foi descoberta por cientistas da Méditerranée Infection Foundation na França, em 9 de dezembro de 2021, num paciente de Forcalquier. A variante foi temporariamente nomeada como 'IHU' pela instituição descobridora e está registrada na GISAID como B.1.640.2. Os relatórios iniciais mostram que a nova variante tem 46 mutações e 37 deleções.

O primeiro caso surgiu quando uma pessoa chegou à França vinda do país de Camarões (África Central). Esta pessoa apresentou sintomas respiratórios moderados, após os quais foram coletadas amostras. Philippe Colson, pesquisador da Aix-Marseille University, disse que a amostra nasofaríngea, coletada em meados de novembro de 2021, "mostrou uma combinação incomum que não correspondia ao padrão da variante Delta envolvida em quase todas Doenças SARS-CoV-2 na época." As amostras foram então enviadas para a Méditerranée Infection Foundation para sequenciamento do genoma, que revelou uma nova variante. O mesmo tipo de mutação também foi encontrado em sete outras pessoas que vivem na mesma localização geográfica.

Estudos preliminares mostram que a variante é muito mais perigosa do que as variantes Ômicron e Delta. O cientista de saúde pública Eric Feigl-Ding disse que "há dezenas de novas variantes descobertas o tempo todo, mas isso não significa necessariamente que serão mais perigosas. O que torna uma variante mais conhecida e perigosa é sua capacidade de se multiplicar devido ao número de mutações que possui em relação ao vírus original. " A nova variante ainda não foi investigada pela Organização Mundial da Saúde.

Fontes