França: novo porta-aviões será lançado em 2036

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de junho de 2020

O porta-aviões Charles de Gaulle

A Marinha Francesa pretende ter um novo porta-aviões, o PANG. O Charles de Gaulle, cujo segundo reparo técnico terminou em 2018, já tem 25 anos e a sua substituição exigirá vários anos de estudo e construção. Em outubro de 2018, o ministro das Forças Armadas da França, Florence Parly, lançou uma série de estudos preliminares que pretendiam apresentar várias opções possíveis ao presidente, em particular em termos de propulsão e arquitetura. Esses estudos estão concluídos e ele deve fazer suas arbitragens no começo do verão.

O novo porta-aviões deve ser mais imponente que seu antecessor: 70 mil toneladas contra 42.500 toneladas do Charles de Gaulle, um aumento de mais de 60%. O suficiente para competir com o porta-aviões britânico Queen Elizabeth ou o Shadong da China. Obviamente, não é apenas o tamanho que importa, e as dimensões do novo porta-aviões francês foram ditadas pelas necessidades inerentes ao desenvolvimento do sistema de combate aéreo do futuro (SCAF), em colaboração com a Alemanha e Espanha.

Como a Marinha queria um porta-aviões rapidamente, era preferível usar propulsão convencional, que era muito mais fácil e rápida de implementar. Mas as coisas parecem ter mudado em poucos meses: o PANG será maior que o Charles de Gaulle, portanto, necessariamente, mais sedento de energia. Uma propulsão clássica forçaria o futuro carro-chefe da Marinha a reabastecer com mais frequência do que o Charles de Gaulle. Resta saber se o reator K15, que equipa todos os navios da Marinha Francesa, poderá atender às necessidades de energia de um navio desse tamanho.

Embora seja provável que o PANG receba inicialmente os caças Rafale, ele será, acima de tudo, projetado e pensado como vetor do programa SCAF e a implantação de drones de combate, o que nenhuma marinha é capaz de fazer no momento. Com exceção da França, portanto, apenas os Estados Unidos estão trabalhando nesse tipo de interoperabilidade. Outra inovação, um pouco restrita, é a seguinte: os Estados Unidos, que fornecem à França as catapultas de todos os seus porta-aviões, optaram por abandonar as catapultas a vapor em favor de um sistema mais leve de catapulta eletromagnética, mais poderoso e mais flexível de usar. A França não terá escolha a não ser se adaptar a essa mudança: portanto, podemos facilmente imaginar que o PANG será equipado com o mesmo sistema EMALS que os últimos porta-aviões americanos.

O presidente da República, Emmanuel Macron, deve responder nas próximas semanas às muitas perguntas que os especialistas estão perguntando sobre o novo porta-aviões, cujos testes no mar estão programados para 2036.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com