Fanáticos religiosos do Estado Islâmico destróiem o patrimônio da humanidade no Iraque

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Variante da bandeira do EI com a primeira parte do Shahada.

27 de fevereiro de 2015

Mossul, Iraque — Na cidade iraquiana de Mossul, terroristas invadiram a biblioteca histórica e queimaram milhares de livros em estrada aberta. Segundo o chefe da biblioteca para o jornal "Al-Rai" mais de 100.000 livros e manuscritos provavelmente foram destruídos. Entre eles estão também escritos na lista de património cultural mundial estão a ser incluídos pela UNESCO. Provavelmente incluem textos teólogos sunitas a partir do Império Otomano. Os sunitas formam atualmente maior denominação do Islã do mundo.

A organização terrorista atribuída, Estado Islâmico (EI), quebraram e importantes obras de arte da antiguidade no museu da cidade de Mossul e no local de escavação de Nínive, que fica do outro lado do Tigre e nordeste de Mossul. A destruição foi filmado pelos fanáticos religiosos. A ideologia do EI é em parte devido ao wahabismo, uma tradicionalista purista sob direção do islamismo sunita. Em julho de 2014, combatentes destruíram mesquitas e santuários xiitas e sufistas nas cidades iraquianas de Mossul e Tal Afar.

Diretora Geral da UNESCO, Irina Bokova se queixou de que os terroristas perseguem para que extinga a diversidade cultural. De acordo com os combatentes EI seduzir livros filosóficos é "para afastar-se da fé." A cidade mesopotâmica de Nínive é frequentemente mencionada no Antigo Testamento da Bíblia e os livros apócrifos. Ela era um dos centros da Assíria e fornece provas de, provavelmente, a mais antiga civilização da humanidade.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati