FMI: reformas estruturais devem permitir à economia evitar período medíocre

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

12 de outubro de 2014

FMI

As reformas estruturais e os grandes projetos deverão permitir à economia global evitar um período medíocre, estimam os participantes das reuniões de outono do Fundo Monetário Internacional (FMI) que terminam hoje (12). Embora a economia mundial esteja ameaçada de um longo período de crescimento "medíocre", segundo a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, a zona do euro foi apontada nas reuniões desse sábado (11) como o ponto negro em nível mundial, devido à estagnação e à baixa inflação.

Além disso, nas reuniões foi abordada a situação dos Estados Unidos, que se encontram em plena recuperação, da Ásia, que está em um bom caminho (exceto o Japão), e dos países emergentes, que não têm se saído mal, seguidos pelo Brasil e a Rússia, mais distantes. A África, por sua vez, enfrenta a ameaça do vírus ebola, que poderá comprometer o desenvolvimento do continente.

"Todo o mundo está voltado para os desafios reais, que são mais reformas estruturais em detrimento de políticas macroeconômicas", disse o presidente do órgão político do FMI, o Comitê Monetário e Financeiro Internacional (CMFI), Tharman Shanmugaratnam. Segundo os participantes, "a bola está agora nas mãos dos políticos, dos governos" e não tanto na dos técnicos ou dirigentes de bancos centrais. "É preciso apoiar as reformas estruturais", disse o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi.

Shanmugaratnam, que também é ministro das Finanças de Cingapura, acrescentou que "será preciso coragem política (...), mas isso pode ser feito", dando como exemplo de reforma desejável a liberalização dos serviços na Europa, a reforma das pensões nos Estados Unidos ou a educação nos países emergentes.

O tema das reformas e o seu conteúdo específico são questões particularmente sensíveis na zona do euro, tendo vários participantes apelado a determinados países com margem de manobra orçamentária, como a Alemanha, para que participem da recuperação europeia. Apesar de afirmar que "não sentiu qualquer pressão", o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, destacou várias vezes que não se obtém crescimento sem um orçamento sério.

Mesmo assim, Schauble disse que a Alemanha "deverá aumentar os seus esforços para investir no setor público e privado".

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati