Ex-presidente Vizcarra evita prisão preventiva no Peru

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O ex-presidente peruano e atual candidato ao Congresso, Martín Vizcarra, evitou a prisão preventiva depois que um juiz rejeitou na quinta-feira o pedido de um promotor por 18 meses de prisão enquanto Vizcarra estava sendo investigado por corrupção.

Vizcarra, que assumiu o poder em 2018 após a renúncia de seu antecessor, mas foi afastado do cargo em novembro pelo Congresso, está sob investigação por supostamente ter recebido US$ 622.000 em subornos de duas empresas que ganharam contratos de obras públicas quando era uma autoridade regional há oito anos.

“Quero agradecer a milhões de peruanos que me apoiaram. Agora vamos nos dedicar mais fortemente à nossa atividade política. Continuamos na campanha eleitoral”, disse Vizcarra à imprensa da casa de seu advogado após ouvir a decisão judicial.

Na audiência, realizada por teleconferência no mesmo dia, o ex-presidente reiterou sua inocência e prometeu que não "deixará o país". Vizcarra, 57, nega as acusações.

A juíza María de los Ángeles Álvarez disse que não considerava que Vizcarra estivesse em perigo de fuga enquanto as autoridades o investigavam.

No entanto, o procurador German Juárez, que solicitou a prisão preventiva, apresentou como prova os registros das ligações telefônicas que Vizcarra havia feito para donos das empresas que construíram um hospital e uma rede de irrigação, bem como relatos de colaboradores.

O promotor disse que Vizcarra poderia fugir para a Bolívia devido à sua proximidade com o presidente Luis Arce, mas o juiz considerou que se trata de "dados ligados à especulação".

Em fevereiro, Vizcarra foi o centro de um escândalo ao reconhecer que havia recebido a vacina contra o coronavírus em outubro, quando ainda era presidente e meses antes das vacinas estarem publicamente disponíveis.

Os constantes escândalos de corrupção no Peru afetaram quatro ex-presidentes nas últimas duas décadas.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit