Ex-presidenta do Chile chega ao Rio de Janeiro e visita favela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

16 de dezembro de 2011

Rio de Janeiro, RJ, Brasil — Na primeira visita ao Rio de Janeiro como diretora executiva da Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), a ex-presidenta do Chile, Michelle Bachelet, se reuniu na manhã de hoje (16), com cerca de 60 mulheres, líderes de diversas comunidades cariocas, na Favela do Cantagalo, zona sul da cidade.

A ONU Mulheres apoia programas de sete organizações não governamentais (ONGs) no Brasil. Uma delas é a Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh), que promove, entre outras ações, formação e capacitação da população feminina no Cantagalo.

Após o encontro, que durou cerca de 30 minutos, Bachelet, que também é secretária-geral adjunta das Nações Unidas, conversou rapidamente com jornalistas e destacou a importância dos projetos voltados ao fortalecimento das mulheres em comunidades de baixa renda. A representante da ONU também conheceu algumas ações desenvolvidas no Cantagalo, como o Projeto Corte e Arte, que forma profissionais de corte e costura.

“Estou contente por visitar esta área porque mostra que o trabalho que estamos apoiando tem muito sentido, já que permite que as mulheres das comunidades tenham mais autonomia econômica, se organizem e se mobilizem. Temos visto a força delas para se levantar e buscar um futuro melhor para seus filhos e para elas mesmas”, disse a representante das Nações Unidas.

Bachelet também ressaltou que as experiências desenvolvidas no Brasil nas áreas de inclusão social e igualdade de direitos podem servir de exemplo para programas da ONU Mulheres em outros países, como os da África.

“Acreditamos muito na cooperação Sul-Sul e há muitas experiências feitas aqui que podem ser úteis nesses países. A presidenta Dilma está muito interessada em que essa cooperação seja fortalecida entre o Brasil e o resto do mundo”, acrescentou.

Para Elisete da Silva, coordenadora do Corte e Arte que, em 16 anos, capacitou mais de 500 mulheres no Cantagalo, projetos que contribuam para dar mais poder de decisão e autonomia às mulheres ajudam a melhorar a vida na comunidade. “Nós produzimos para empresas e até exportamos para os Estados Unidos e para a França. Trabalhos como esse garantem renda para ajudar no sustento das famílias e aumentam a autoestima dessas mulheres”.

Michelle Bachelet está no Brasil desde quarta-feira (14) para uma série de audiências e eventos públicos com o objetivo de discutir temas como a participação política feminina, a presença de mulheres nas tropas de paz da ONU e como a questão de gênero será debatida na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, no ano que vem.

Em Brasília, ela se reuniu com a presidenta Dilma Rousseff, com representantes da bancada feminina no Congresso Nacional e lideranças da sociedade civil. Bachelet também participou da na 3ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, na capital federal.

Notícias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati