Estados Unidos suspendem participação em tratado nuclear com a Rússia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1 de fevereiro de 2019

Estados Unidos —

Estados Unidos suspendem participação em tratado nuclear com a Rússia, Mike Pompeo diz que saída definitiva será em seis meses

Os Estados Unidos suspendem amanhã, 2, a sua participação no Tratado Sobre as Armas Nucleares de Alcance Intermédio (INF), assinado com a Rússia em 1987.

A decisão foi confirmada nesta sexta-feira, 1, pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em Washington, adiantando que a saída definitiva acontecerá dentro de seis meses por alegada violação do pacto por Moscovo.

A Rússia nega qualquer violação do tratado, que proíbe que Washington e Moscovo instalem mísseis terrestres de curto e médio alcance na Europa.

"A Rússia violou por anos, sem escrúpulos, o tratado de armas nucleares e não mostrou nenhum compromisso sério de respeitá-lo", disse Pompeo a jornalistas, acrescentando ser “nossa responsabilidade responder de forma apropriada”.

Antes da formalização da saída por Pompeo, anunciada há meses pelo Presidente Donald Trump, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia criticou a posição de Washington.

"Consideramos que este tratado é necessário. É no interesse da nossa segurança, da segurança europeia. Seria extremamente irresponsável prejudica-lo por acções unilaterais", advertiu Serguei Riabkov.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, acrescentou que a Rússia espera receber a partir de hoje "uma notificação por parte dos Estados Unidos" sobre o futuro do tratado.

Divergências e negociações falhadas

A Administração americana tem acusado a Rússia há muito de violar o tratado, apresentando como exemplo o novo míssil russo Novator 9M729, chamado pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) de SSC-8.

Para Washington, o míssil viola o pacto, que proíbe os dois lados de instalarem mísseis terrestres de alcance curto e intermediário na Europa.

A Rússia nega, dizendo que o alcance do míssil o exclui do tratado, acusando os Estados Unidos de inventarem um pretexto para se desligarem de um acordo que Washington quer abandonar de todo modo para desenvolver novos mísseis e rejeitando a exigência norte-americana de destruir o novo míssil.

Na quinta-feira, 31, a subsecretária de Estado para o Controlo de Armas e a Segurança Internacional, Andrea Thompson, realizou as últimas conversas com o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov, em Pequim, antes do fim do prazo de 60 dias dado por Washington para Moscovo voltar a respeitar o tratado.

Thompson e Ryabkov disseram mais tarde que os dois países não conseguiram conciliar as diferenças.

A governante americana adiantou que Washington, ao deixar o tratado, permite aos militares de seu país começarem a desenvolver imediatamente seus próprios mísseis de alcance maior, se quiserem fazê-lo, aumentando a possibilidade de eles serem instalados em solo europeu.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati