Estados Unidos suspendem entrada de cidadãos de vários países arábes

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

29 de janeiro de 2017

O Presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou dois decretos para fortalecer a segurança do país, um dos quais restringe a entrada de refugiados vindos da Síria por um período indefinido. De 1 de outubro de 2015 a 30 de setembro de 2016, os Estados Unidos acolheram cerca de 10.000 refugiados sírios.

O decreto também suspende o programa americano de acolhida de refugiados durante, pelo menos, 120 dias, enquanto se concretiza o futuro sistema de verificação de vistos. Também proíbe a entrada nos Estados Unidos de viajantes procedentes de países de maioria muçulmana - Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen - durante 90 dias.

"Isso é muito importante", disse o presidente na sexta-feira, no Pentágono, depois de assinar a ordem executiva intitulada "Proteção da nação contra a entrada de terroristas estrangeiros nos Estados Unidos". Citando que os novos protocolos "asseguram que os refugiados aprovados para admissão não supõem nenhuma ameaça para a segurança e o bem-estar dos Estados Unidos".

A medida sobre a imigração muçulmana cumpre com uma das promessas mais polêmicas da campanha eleitoral, quando Trump disse que ia frear a imigração de cidadãos de vários países muçulmanos que, segundo ele, são uma ameaça terrorista para os Estados Unidos, e submeter viajantes estrangeiros dessas nações a "investigações extremas".

A agência das Nações Unidas para os refugiados e a Organização Internacional para Migração emitiram uma declaração afirmando que os Estados Unidos têm um dos mais importantes programas mundiais de apoio a refugiados, acrescentando esperar que o pais irá continuar o "seu forte papel de liderança e de tradição de longa data de proteger os que fogem de conflictos e perseguição".

Neste sábado (28), Donald Trump falou por telefone com vários líderes mundiais, em meio a um crescente alarme internacional gerado por seus anúncios para limitar a imigração de muçulmanos nos Estados Unidos.

Fonte


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati