Estados Unidos ameaçam impor sanções contra Venezuela após a Constituinte

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

31 de julho de 2017

As autoridades dos Estados Unidos estão a pretender em impor sanções econômicas contra a Venezuela, em resposta à votação da Assembleia Constituinte que aconteceu no domingo (30 de Julho), que foi marcada pela violência e boicote feito pela oposição, em que só participaram os partidários do governo venezuelano. A informação é da reportagem publicada pela Reuters.

O governo do presidente americano Donald Trump (que já classificou ontem a votação da Assembleia Constituinte de uma "fraude") pretende impor sanções ao vital sector de petróleo no país contra a endividada estatal PDVSA e as autoridades venezuelanas de primeiro escalão do país sul-americano liderado por Nicolás Maduro.

As autoridades, que falaram sob condição de anonimato à Reuters, afirmam que as medidas podem ser anunciadas já nesta segunda-feira (31): bloquear a venda do petróleo norte-americano mais leve que a Venezuela mistura com seu petróleo mais pesado e depois exporta, mas não inclui uma proibição ao envio de petróleo venezuelano aos EUA (uma das opções mais extremas) e que o governo do país poderá visar contra outras autoridades venezuelanas de primeiro escalão.

Histórico

Na semana passada, Washington advertiu a Caracas que haverá novas sanções contra seu país, caso siga com as eleições para eleger os 545 membros da Assembléia Constituinte, que vai redigir a nova Constituição e substituir membros do Parlamento venezuelano dominado pela oposição. Como advertência ao governo, Donald Trump impôs sanções econômicas a 13 figuras do país, que foram proibidos de fazer negócios com os EUA.

O presidente do país, Nicolás Maduro prometeu que a nova Assembleia vai restaurar a paz na Venezuela, mas os seus críticos afirmam que apenas os apoiantes dele foram candidatos e o acusam como pretexto de se tornar um ditador.

A Venezuela tem maiores taxas de inflação e de homicídio do mundo, escassez de produtos básicos da população (alimentos e remédios) e de imigração em massa a outros países (principalmente para os vizinhos do Brasil e Colômbia).

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati