Estados Unidos: Tiroteio deixa várias vítimas em San Bernardino, na Califórnia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

2 de dezembro de 2015

As autoridades do condado de San Bernardino, no sul da Califórnia, informaram a ocorrência de um tiroteio que teria deixado ao menos 12 mortos e vários feridos.

Pelo Twitter, o departamento de polícia da região diz que há a suspeita de até três atiradores no local.

Também pelo Twitter, o Corpo de Bombeiros informa que o tiroteio deixou pelo menos 20 vítimas.


A polícia de San Bernadino, na Califórnia (EUA), informou hoje (2) que procura três suspeitos de terem atirado no Centro Regional de Inland, uma academia para pessoas com necessidades especiais.

Apesar de informações sobre a morte de 12 pessoas, a prefeitura da cidade esclareceu, no começo da noite, que ainda não é possível confirmar se há vítimas fatais entre os 20 feridos e nem o estado de saúde dos atingidos.

Equipes da Swat e do Esquadrão Antibombas retiraram as pessoas do centro comunitário e dos prédios vizinhos. Segundo a CNN, teria sido encontrado um pacote suspeito de conter explosivos em um dos edifícios. Testemunhas entrevistadas pela CNN informaram que viram três homens armados com rifles longos para atirar. Eles teriam deixado o local em uma caminhonete preta.

O centro de atenção à pessoas com necessidades especiais tem cerca de 670 empregados, mas ainda não se sabe quantos estavam no local no momento dos disparos. Este foi o terceiro tiroteio nos Estados Unidos em menos de duas semanas. Semana passada, uma clínica de aborto foi o alvo de um atirador no Colorado.

O presidente Barack Obama voltou a condenar a falta de controle de armas depois do incidente no Colorado e pediu ao Congresso que revise as leis sobre sobre o uso de armas no país. O tema divide a opinião pública norte-americana.

Ter uma arma e portá-la para segurança pessoal é uma garantia constitucional nos Estados Unidos e há um lobby poderoso da indústria bélica que atua junto aos congressistas para evitar mudanças.


Um dos suspeitos de participação do tiroteio que deixou pelo menos 14 mortos e 14 feridos no ataque ao centro de atendimento de pessoas portadoras de deficiência ocorrido hoje (2) em São Bernardino, no estado da Califórnia, foi baleado pela polícia, segundo imagens televisivas e informações policiais.

Vários agentes estão abrigados em seus veículos, perto de uma viatura crivada de balas, com um corpo próximo ao local, conforme as imagens transmitidas por televisões norte-americanas.

“Sei que a situação está em curso, que há tiros e um suspeito está por terra”, disse à imprensa Vicky Cervantes, dirigente da polícia de São Bernardino.

O ataque é um dos mais graves dos Estados Unidos. Segundo um levantamento divulgado pelo diário Los Angeles Times, na sua página na internet, o ataque é o quinto com mais mortes desde 1984 nos EUA.

O com maior número de mortos ocorreu em 16 de abril de 2007, em Blacksburg, na Virgínia, quando um estudante universitário matou 32 colegas e feriu 17, no campi da universidade.

Reações

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, lamentou as 14 mortes causadas no tiroteio na tarde de hoje (2) na cidade de San Bernardino, na Califórnia. Segundo a sua assessoria de imprensa, ele foi informado da tragédia em Paris, onde participa da 21ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21). Na semana passada após um tiroteio no Colorado, Obama disse que era inadmissível que o país continuasse a ter este tipo de ocorrências “sem equivalência no mundo”.

Até o momento foram confirmadas 20 vítimas entre feridos e mortos. Alguns jornais locais falam em 14 mortes, mas os bombeiros evitam informar com precisão a quantidade de vítimas.

Um dos três suspeitos foi baleado pela polícia e, segundo alguns veículos, ele faleceu após ser atingido. O local em que os tiros foram disparados é um centro de referência para pessoas com necessidades especiais.

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati