Espanha simplifica procedimentos para admissão de refugiados ucranianos

18 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Alguns dos três milhões de refugiados ucranianos que conseguiram escapar da guerra estão se refugiando além da Polônia e da Europa Oriental. Quem chega à Espanha já tem visto de trabalho.

Na pequena cidade catalã de Guissona, no nordeste da Espanha, um em cada sete habitantes é ucraniano. Agora, depois da invasão russa, este local acolhe os seus familiares da Ucrânia e os vizinhos têm recorrido à ajuda humanitária.

O governo fez arranjos para as crianças frequentarem a escola. Segundo Jaume Ars Bosch, prefeito de Guissona, “a Catalunha já estabeleceu os protocolos para a incorporação desses meninos e meninas nas escolas comuns e neste momento eles já estão frequentando, nem todos já estão frequentando a escola”.

Na aldeia, uma cooperativa agrícola emprega mais de 5.000 pessoas, muitas delas ucranianas.

Mykola Grynkiv transformou seu cibercafé em um depósito de ajuda humanitária. De lá, ele organiza as entregas de caminhões para a Ucrânia: "Se ajudarmos com medicamentos, podemos liberar fundos do nosso governo", diz ele.

Por sua vez, Tetiana Miakoytina é uma refugiada ucraniana que chegou com seu filho fugindo do bombardeio em Kiev.

Segundo ela, quando transitavam pelo território ucraniano, passavam por muitos controles: "Em todos os postos de controle eles estavam verificando a documentação, então nossa viagem foi muito longa. Passamos as noites em lugares escondidos, devido a muitos bombardeios. noites, estávamos com as crianças em lugares subterrâneos escondidos dos bombardeios”.

Seu marido permanece em Kiev, devido a uma ordem do governo que impede que homens entre 18 e 60 anos deixem a Ucrânia para que possam defender o país.

Os estados membros da União Europeia decidiram ativar uma lei que permitirá aos ucranianos obter autorizações de residência por pelo menos um ano.

Fontes