Espanhóis saem às ruas em protesto contra reforma trabalhista promovida pelo governo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

11 de março de 2012

A indignação com a proposta de reforma trabalhista em discussão no Parlamento da Espanha levou hoje (11) manifestantes às ruas da capital, Madri. Com palavras de ordem, eles pediram justiça e eficiência. Os manifestantes levavam bandeiras vermelhas, de sindicatos e faixas com slogans e críticas ao governo.

As principais entidades sindicais da Espanha, a Comissão Operária (CCOO) e a União Geral dos Trabalhadores (UGT), convocaram as manifestações em 60 cidades. No próximo dia 29, haverá uma greve geral, promovida pelas duas entidades.

O secretário-geral da UGT, Colin Campbell, disse que as medidas adotadas pelo governo para resolver a crise econômica mundial não são temporárias. "O governo tem feito um uso imoral da crise para acabar com tudo".

O professor aposentado Antonio Martinez, de 64 anos, participou do protesto em Madri. Ele levava uma faixa com a seguinte inscrição: "Para os nossos netos não se tornarem escravos".

Pela proposta aprovada pelo governo e em discussão no Parlamento, a reforma trabalhista torna as leis contratuais mais flexíveis. As medidas permitirão, por exemplo, que as empresas espanholas refaçam acordos coletivos, tenham mais flexibilidade para ajustar horários, tarefas e salários dos empregados, além de baratear as demissões.

É a terceira proposta de reforma trabalhista apresentada pelo governo espanhol. O desemprego na Espanha afetou 22,85% da força de trabalho no fim de 2011. Essa taxa é quase três vezes maior do que a de 2007, quando o desemprego atingiu 7,95%.

A decisão dos sindicalistas de promover a paralisação geral ocorreu após uma sessão tensa no Congresso Nacional da Espanha, quando integrantes do Partido Popular (PP) criticaram a proposta de contenção de custos trabalhistas apresentada pelo governo.

Para as entidades sindicais, a proposta em discussão, se executada, pode levar à redução dos salários, à precarização dos empregos e ao aumento da desigualdade econômica e social, gerada pelo empobrecimento da população. Segundo os sindicalistas, a proposta retira direitos adquiridos pelos trabalhadores ao longo dos anos.

A Espanha viveu recentemente manifestações tensas. A maior delas foi no último dia 19 de fevereiro, quando os manifestantes saíram às ruas em 57 cidades. A reforma trabalhista foi aprovada pelo governo no último dia 10.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati