Enem 2019: saiba como funciona o sistema de correção

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

2 de novembro de 2019

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Chute apenas quando for necessário e resolva problemas simples no teste quando encontrar problemas difíceis. Estas são algumas dicas para especialistas melhorarem o desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O exame será realizado em mais de 1,7 mil cidades a partir de domingo (3). Aproximadamente 5,1 milhões de alunos estão matriculados.

“Chutar ou não chutar é uma questão complexa em se tratando de TRI [teoria de resposta ao item]”, disse Rafael Vilaça, professor de física do curso online Descomplica. “Se uma questão é fácil, é esperado que aluno saiba fazer. Se ele chuta uma questão fácil, isso é mal interpretado pelo sistema. A meu ver, é mais tranquilo chutar uma questão difícil”, explica.

Para ter um bom desempenho no exame, você precisa entender o sistema de correção do exame. No Enem, não há valor fixo para cada questão. A pontuação varia de acordo com o percentual de acerto e erro dos participantes do projeto e o desempenho de cada aluno na prova. Essa correção segue a chamada teoria de resposta ao item (TRI).

“A TRI leva três aspectos em consideração: o conhecimento do candidato; o nível da questão em si, se é fácil, médio ou difícil; e, a aleatoriedade, ou seja, o chute”, diz Vilaça. Se uma questão tiver um grande número de respostas corretas entre os candidatos, ela é tratada como uma questão simples e, portanto, menos pontos são obtidos. Por outro lado, os alunos que acertam os itens com uma taxa de erro mais alta podem ganhar mais pontos.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit