Em meio a protestos, Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

10 de novembro de 2019

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Hoje (10), durante um pronunciamento em Cochabamba, Evo Morales renunciou ao cargo de presidente da Bolívia. O vice-presidente Alvaro García Linera também renunciou, em meio aos diversos protestos.

“Queremos preservar a vida dos bolivianos”, disse Morales. Ele justificou sua saída: “para que não continuem maltratando parentes de líderes sindicais, prejudicando a gente mais humilde. Estou renunciando e lamento muito esse golpe”.

Opositores de Morales comemoram em La Paz, mostrou as emissoras locias. William Kaiman, comandante das Forças Armadas, aumentou a pressão após declarar apoio a renuncia, para “pacificação e a manutenção da estabilidade, pelo bem da nossa Bolívia”.

Para melhorar a situação, Morales substituiu os integrantes do Tribunal Superior Eleitoral e anunciou novas eleições. Ele declarou que sua “principal missão é proteger a vida, preservar a paz, a justiça social e a unidade de toda a comunidade boliviana”.

Antes de deixar o cargo, a imprensa noticiou ataques a moradia de Morales e orgãos públicos. No Twitter, ele criticou o que chamou de “fascistas”. Emissoras de televisão e rádios estatais também foram alvos de manifestantes.

O presidente da Câmara dos Deputados, Víctor Borda, também deixou o cargo.

Fontes