EUA exortam a Europa a abandonar produtos Nuctech

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

29 de junho de 2020

Bandeira dos Estados Unidos
Outras notícias sobre os Estados Unidos
Localização dos Estados Unidos
Localização dos Estados Unidos

Os EUA estão de olho na fabricante de equipamentos de segurança da China. Segundo as autoridades americanas, a crescente popularidade dos produtos Nuctech na Europa representa uma ameaça à segurança e aos negócios dos países ocidentais.

De acordo com o Wall Street Journal, o Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, juntamente com várias empresas americanas, está tentando convencer os governos europeus a parar de usar os produtos Nuctech. Antes, as autoridades americanas tentaram convencer seus aliados europeus a proibir a rede Huawei.

De acordo com o memorando interno, os equipamentos da Nuctech são utilizados em mais de dez países da Europa. Este mês, a Finlândia, um país membro da OTAN, utilizou scanners da Nuctech para uso em suas fronteiras, inclusive com a Rússia. Segundo jornais locais, os funcionários da alfândega não encontraram nenhum motivo para recusar o equipamento.

Os sistemas utilizados nos portos para verificação de carga, bem como nos aeroportos e estações ferroviárias para verificação de bagagem, estão se tornando cada vez mais interconectados. Bancos de dados com informações sobre passageiros, passaportes e impressões digitais tornam-se igualmente interconectados.

De acordo com as autoridades dos EUA, esse relacionamento proporcionará à Nuctech acesso a informações privadas que a empresa pode transmitir ao governo chinês. Conforme relatado no memorando, a legalidade da Nuctech levanta a questão da segurança do transporte civil e naval dos países da OTAN.

Os representantes da Nuctech disseram que não sabiam nada sobre as tentativas americanas de remover a empresa do mercado europeu. A Nuctech não recebe suporte estatal e seu equipamento não representa um risco à segurança, pois não contém backdoors e não coleta dados.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com