EUA efectuam voos de reconhecimento no espaço aéreo da Síria

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

28 de agosto de 2014

Uma alta entidade da Casa Branca afirmou que o presidente Barack Obama autorizou a realização de voos de reconhecimento no espaço aéreo da Síria.

A mesma fonte acrescentou que, para já, o presidente Obama não aprovou qualquer acção militar mas salientou que os Estados Unidos estão a analisar alternativas militares para confrontar os militantes da organização Estado Islâmico que se apoderaram de vastas regiões do leste da Síria e do norte e ocidente do Iraque.

A força aérea americana tem vindo a levar a cabo bombardeamentos no Iraque ajudando as forças iraquianas e curdas a recuperarem território aos militantes incluindo a estratégica barragem de Mosul (ou Mossul) que fornece energia eléctrica a grande parte do país.

Nos últimos dias responsáveis do Pentágono deram a entender que é necessário confrontar o Estado Islâmico de ambos os lados da fronteira.

No entanto a operação pode ser complicada por causa da guerra civil que se verifica na Síria.

A Casa Branca não quer que uma intervenção americana seja vista como um apoio ao presidente sírio Bashar al Assad que tem repetidamente acusado terroristas de terem causado o conflito que dilacera o país há 3 anos.

Comentando a situação, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, afirmou que a mesma sofre a influência de muitos ventos cruzado: “Não estamos interessados em tentar ajudar o regime de Assad. De facto desde há vários anos que vimos apelando para que o regime de Assad se afaste do poder”.

Ontem, o ministro sírio dos negócios estrangeiros Walid al Moallem afirmou que a Síria estava pronta a trabalhar com a comunidade internacional, incluindo com os Estados Unidos e com a Grã-Bretanha, mas salientou que quaisquer ataques deviam ser coordenados com o governo de Damasco.

Advertiu também que qualquer acção unilateral na Síria constituiria um acto de agressão que poderia traduzir-se pelas defesas antiaéreas sírias tentando derrubar os aparelhos americanos.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati