EUA "aplaudem" prorrogação do mandato de Guaidó

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

5 de janeiro de 2022

link=mailto:?subject=EUA%20"aplaudem"%20prorrogação%20do%20mandato%20de%20Guaidó%20–%20Wikinotícias&body=EUA%20"aplaudem"%20prorrogação%20do%20mandato%20de%20Guaidó:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/EUA_%22aplaudem%22_prorroga%C3%A7%C3%A3o_do_mandato_de_Guaid%C3%B3%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=EUA%20"aplaudem"%20prorrogação%20do%20mandato%20de%20Guaidó%20–%20Wikinotícias&body=EUA%20"aplaudem"%20prorrogação%20do%20mandato%20de%20Guaidó:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/EUA_%22aplaudem%22_prorroga%C3%A7%C3%A3o_do_mandato_de_Guaid%C3%B3%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O governo dos EUA expressou nesta terça-feira apoio à decisão de prorrogar por 12 meses a presidência encarregada de Juan Guaidó e a "continuidade constitucional" da Assembleia Nacional da Venezuela.

"Aplaudimos o acordo alcançado para estender a autoridade da Assembleia Nacional eleita em 2013 e o presidente interino Guaidó como presidente", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em uma coletiva de imprensa por telefone.

Price acrescentou que os EUA continuam a reconhecer "a autoridade da Assembleia Nacional como a última instituição democrática" que permanece na Venezuela.

Em um comunicado divulgado mais tarde, o porta-voz do Departamento de Estado pediu ao presidente venezuelano Nicolas Maduro que retome as negociações com a oposição no México — suspensa em outubro — "para o bem do povo venezuelano".

Price acrescentou que Washington apoia os esforços da Plataforma Unitária, o grupo de membros da oposição enviados para liderar as negociações.

Na segunda-feira, a Assembleia Nacional venezuelana, eleita há seis anos, prorrogou por 12 meses sua "continuidade constitucional" e estendeu para o mesmo mandato a presidência no comando de Guaidó, embora com maiores controles sobre suas funções como chefe de Estado provisório.

Os deputados aprovaram a criação de uma comissão que exercerá controles sobre as decisões tomadas por Guaidó e tem o poder de autorizar nomeações ou afastamentos do presidente encarregado de conselhos administrativos, fundações autônomas, estaduais, associações ou sociedades civis e empresas estatais.

Guaidó, presidente do Legislativo, se declarou presidente no comando da Venezuela em janeiro de 2019 argumentando que Nicolás Maduro usurpou a posição.

O líder da oposição é reconhecido por um punhado de países, incluindo os EUA, como presidente interino.

Fontes