Donos da Daslu deixam a prisão

São Paulo, SP, Brasil • 27 de março de 2009

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A proprietária da butique de luxo Daslu, Eliana Tranchesi deixou a Penitenciária Feminina da Capital, na zona norte, por volta das 20 horas de hoje, informou a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP). Pouco antes, o irmão dela, Antonio Carlos Piva de Albuquerque, diretor financeiro da Daslu, e Celso de Lima, dono da importadora Multimport, saíram do Centro de Detenção Provisória III de Pinheiros (CDP), na zona oeste.

O habeas corpus da empresária foi concedido durante a tarde pelo desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF/3), Luiz Stefanini. A advogada da empresária, Joyce Roysen, classificou a decisão como "técnica e justa". "A decisão se baseou na inconstitucionalidade da prisão e nada tem a ver com o estado de saúde dela", afirmou a advogada.

STJ

Também na tarde desta sexta, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Og Fernandes, concedeu liminar para revogar a prisão preventiva do irmão de Eliana. A decisão foi extensiva à proprietária da butique, a Celso de Lima, a André de Moura Beukers, a Christian Pólo Roberto Fakhouri Júnior e a Rodrigo Nardy, todos presos por determinação da 2ª Vara Federal Criminal de Guarulhos ontem.

De acordo com a decisão, os fundamentos utilizados na decretação da prisão do irmão da empresária foram os mesmos da preventiva decretada em 2006, rejeitada pelo STJ. Segundo o ministro, as prisões de natureza cautelar são medidas excepcionais, que somente podem ser decretadas ou mantidas se for comprovada a necessidade de restrição à liberdade.

Fernandes também reiterou o fato de a juíza ter reconhecido que o réu é primário, portador de bons antecedentes, possuidor de emprego fixo e residência certa.

Pedido No pedido de habeas corpus, a defesa sustentou que os mandados de prisão expedidos são ilegais, tendo em vista o reconhecimento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da inconstitucionalidade de execução provisória de sentença penal restritiva de liberdade. A advogada também considerou a pena “desumana”, por colocar em risco a vida de Eliana, que se submete o tratamento quimioterápico. O médico da empresária, Sérgio Daniel Simon, alega que ela corre alto risco de infecção generalizada, hipertensão e sangramento.

Na avaliação da defesa, foi dada a pena máxima para todos os crimes sem que houvesse sido cometido nenhum agravante. Além disso, a multiplicação dos anos a que Eliana foi condenada não segue, segundo a advogada, nenhum critério. "O grande foco é que o STF não admite execução provisória. A sentença não é definitiva e o processo todo será reavaliado. Só depois do trânsito em julgado poderá haver execução", declarou.

Prisão

A empresária foi presa na manhã de ontem (quinta-feira, dia 26) em sua casa e levada para a penitenciária feminina do Carandiru, na zona norte da cidade. Ela foi condenada a 94 anos e seis meses de prisão por formação de quadrilha, descaminho (fraude em importações) e falsificação de documentos. Seu irmão, Antonio Carlos Piva de Albuquerque, ex-diretor financeiro da loja, e outras cinco pessoas também foram presas e condenadas.

Fontes


http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL1062214-5605,00-DONA+DA+DASLU+DEIXA+PRESIDIO.html

https://web.archive.org/web/20090330114527/http://oglobo.globo.com/sp/mat/2009/03/27/dona-da-daslu-ja-deixou-penitenciaria-do-carandiru-na-zona-norte-de-sao-paulo-755038254.asp

https://web.archive.org/web/20090330055208/http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/03/27/veja+carta+de+eliana+tranchesi+a+amigos+e+clientes+da+daslu++5140964.html

http://www.estadao.com.br/noticias/economia,eliana-tranchesi-deixa-penitenciaria-afirma-sap,346038,0.htm

https://web.archive.org/web/20090331030802/http://portalexame.abril.com.br/negocios/justica-concede-liberdade-dona-daslu-431246.html

http://correio24horas.globo.com/noticias/noticia.asp?codigo=22242&mdl=27

http://news.google.com.br/news?pz=1&ned=pt-BR_br&hl=pt&ncl=1293960832&topic=b