Dois políticos são condenados a prisão perpétua por genocídio em Ruanda

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

24 de dezembro de 2011

Ruanda — O Tribunal Penal Internacional para o Ruanda (TPIR), que tem o suporte das Nações Unidas, condenou dois políticos ruandeses pelo genocídio em Ruanda ocorrido em 1994.

A corte setenciou o então-presidente do Movimento Republicano Nacional por Democracia e Desenvolvimento (MRND) Matthieu Ngirumpatse e Edouard Karemera — naquela época, deputado de Ngirumpatse — a prisão perpétua considerando-os culpados por envolvimento em uma variedade de crimes incluindo genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, por falharem em impedir ou punir crimes como estúpro e homicídio cometidos pela milícia jovem do seu partido, o Interahamwe, em 1994.

Os Hutus considerados extremistas assasinaram 800 000 Tutsis e Hutus moderados no período de 100 dias, entre Abril e Julho de 1994. O TPIR determinou que "os estúpros e crimes sexuais praticados contra jovens e mulheres Tutsi pelos soldados e milicianos, incluindo o Interahamwe, são uma consequência natural e previsível de um empreendimento de um grupo criminoso que procurava destruir o grupo étnico Tutsi" antes de "condenar unanimamente Ngirumpatse a prisão perpétua" e sequencialmente prover punição semelhante a Karemera. Joseph Nzirorera, um terceiro acusado juntamente com Ngirumpatse e Karemera, faleceu durante a condução do processo.

O TPIR revelou que Ngirumpatse tinha aprovado a distribuição de armas entre o Interahamwe em Abril de 1994. "Naquele momento do genocídio", o júri do TPIR afirmou, "poderia se assumir que as armas iriam ser utilizadas para matar Tutsis".

O TPIR ocorreu na cidade de Arusha na Tanzânia com o específico propósito de julgar os acusados de serem os mais responsáveis pelos crimes relativos ao genocídio de Ruanda. Recentemente, Theoneste Bagosora — suspeito de estar ente o de maior responsabilidade no genocídio em Ruanda — teve sua punição de prisão perpétua reduzida por recurso dos juízes da TPIR a 35 anos de prisão. Na época, a BBC News Online relatou revolta entre alguns ruandeses por causa da decisão do chefe de pessoal do ministério da defesa.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati