Dezenas morrem em conflito na fronteira entre Índia e China

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de junho de 2020

Nathu La
Nathu La, uma passagem entre a Índia e a China

Oficiais do exército indiano confirmaram a morte de pelo menos 20 de seus soldados durante o conflito na fronteira com a China no Himalaia ocidental. Este é o maior conflito desde que ambos os Estados se apossaram de armas nucleares e o primeiro desde 1975 a ser acompanhado por vítimas.

A fronteira entre os dois países tem 3.488 km de extensão e nunca foi estritamente demarcada. O conflito ocorreu em Ladaque e Aksai Chin, perto do Tibete. A Índia afirma que desde 9 de maio os soldados chineses foram para o território indiano, armaram tendas, fixaram bandeiras e ignoraram os avisos. O lado chinês acusa mutuamente os soldados indianos de invadir o território chinês. Ambos os lados confirmam que houve brigas, arremessos de pedras e finalmente tiros. As reuniões de militares e diplomatas de ambos os lados ainda não deram frutos. O último confronto ocorreu no dia 15 de junho. A China não informa o número de suas vítimas. Segundo relatos de agências de notícias indianas, as tropas do país se renderam nas áreas ocupadas pelos militares chineses, incluindo a parte norte do lago Pangong Tso e parte do vale do referido rio.

O conflito começou quando a China iniciou a construção de uma estrada de Xinjiang para o Tibete em 1959, que passa pela região de Ladaque, reivindicada pela Índia. Em 1962, isso levou a uma guerra de um mês, até a China declarar um cessar-fogo e retirar suas tropas. Em 2017, a China prolongou sua estrada através da placa Doklam, na qual os dois países fazem fronteira com o Butão. A guerra que se seguiu durou dois meses e causou maiores baixas.

Em 2019, a Índia iniciou a construção de uma rodovia e anunciou planos para construir outras onze em 2020, o que resultou em protestos da China. No total, até 2023, planeja construir 61 rodovias, com 3300 km de extensão. Assim, em 2019, foi concluída a construção de um trecho de 255 km passando por Leh, Caracórum e Ladaque, com 37 pontes sobre rios cobertos de gelo. A estrada está localizada a apenas 20 km de Caracórum, onde as fronteiras da China, Índia e Paquistão se encontram. A rodovia permite que a Índia traga rapidamente tropas militares com caminhões pesados ​​e veículos blindados em caso de necessidade.

A China também está estendendo sua antiga estrada Xinjiang–Tibete para a Rodovia Nacional 219, também conhecida como Rota G219, de modo que percorre toda a fronteira ocidental — de Xinjiang através das montanhas Kunlun, Caracórum e Himalaia até o Tibete a uma altitude de 4500 metros. Termina nos distritos de Shannan e Nyingchi, cujas áreas são parcialmente governadas pela Índia, que as considera parte de Arunachal Pradesh. A estrada também chega à cidade de Dongxing, na região de Guangxi, no mar da China Meridional. Nos últimos cinco anos, a estrada foi significativamente desenvolvida e modernizada, especialmente as partes de Shannan e Nyingchi, cada uma com mais de 300 km de extensão. Uma estrada de concreto entre Medog e Zayu, ocupada pela Índia, deve ser construída até o final de 2020.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com