Delegação da CEDEAO na Guiné-Bissau para seguir processo eleitoral

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Os encontros com partidos políticos foram abortados, disse uma fonte protocolar.

5 de novembro de 2018

A Comunidade Económica de Desenvolvimento dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) volta a Guiné-Bissau para se inteirar do processo eleitoral, que está a ser marcado pela contestação da oposição face ao recenseamento em curso.

A missão da CEDEAO esteve reunida separadamente com o Presidente da República (José Mário Vaz) e com o chefe do governo (Aristides Gomes).

No encontro com o chefe de Estado, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, chefe da missão ministerial da CEDEAO, soube que a insuficiência de Kit’s, no terreno, tem constituído um dos problemas técnicos que o processo deve superar.

Segundo uma fonte diplomática, os encontros com autoridades governamentais permitiram que a missão tenha informações detalhadas sobre os factos que têm marcado o processo eleitoral, inicialmente marcado para final deste mês.

A delegação de Onyeama teve também reunião com o P5 (Nações Unidas, União Africana, CEDEAO, {[p|União Europeia}} e CPLP).

Os membros do P5 têm acompanhado de perto a situação politica na Guiné-Bissau nos últimos seis anos.

Os encontros com partidos políticos foram abortados, disse uma fonte protocolar.

A CEDEAO tem uma força militar estacionária na Guiné-Bissau (ECOMIB), desde 2012, cujo mandato foi prolongado até setembro de 2019.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati