Declarações de Obama e Trump geram dúvidas sobre relações entre EUA e Cuba

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

26 de novembro de 2016

A morte de Fidel Castro, uma das personalidades globais mais importantes e polêmicas dos últimos 50 anos, provocou hoje (26) reações diferentes do atual e do futuro presidente dos Estados Unidos. O presidente Barack Obama, que fez do restabelecimento de laços diplomáticos com Cuba um marco de seu governo, disse neste sábado que os Estados Unidos estendem a mão da amizade ao povo cubano.

Já o presidente eleito Donald Trump, que está passando o fim de semana em seu resort em Palm Beach, na Flórida, divulgou duas mensagens sobre a morte de Fidel Castro. Na primeira, ele se limitou a dizer pelas redes sociais a seguinte frase: "Fidel está morto".

Em outra declaração, divulgada horas mais tarde, Donald Trump se referiu a Fidel como um "ditador brutal que oprimiu seu próprio povo por quase seis décadas".

As declarações em sentido oposto de Obama e de Trump provocam indagações de especialistas sobre o futuro das relações entre os Estados Unidos e Cuba. Pelo lado de Trump, o que está valendo é uma declaração que ele fez, durante a campanha eleitoral, em um comício em Miami, em setembro. Trump disse, na época, que pretendia reverter ações empreendidas pelo presidente Barack Obama com relação a Cuba, a menos que o regime cubano comece a reconhecer a "liberdade religiosa e política" e libertar prisioneiros políticos.

Na declaração divulgada hoje, Trump diz que o "legado de Fidel Castro é [marcado] por pelotões de fuzilamento, roubo, sofrimento inimaginável, pobreza e a negação dos direitos humanos fundamentais".

Segundo Donald Trump, "Cuba continua a ser uma ilha totalitária". Ele acrescentou: "Espero que hoje marque um afastamento dos horrores duradouros, e [abra um caminho] para um futuro em que o maravilhoso povo cubano finalmente viva na liberdade que tão ricamente merece".

Trump disse que seu governo "fará tudo o que puder para garantir que o povo cubano possa finalmente iniciar seu caminho rumo à prosperidade e à liberdade".

Obama: Fidel foi uma figura singular

Já a declaração de Obama enfatiza a amizade. "Sabemos que esse momento enche os cubanos (em Cuba e nos Estados Unidos) de emoções poderosas, lembrando as inúmeras maneiras pelas quais Fidel Castro alterou o curso das vidas individuais, das famílias e da nação cubana. A história registrará e julgará o enorme impacto dessa figura singular no povo e no mundo ao seu redor", disse.

Obama afirmou que, por quase seis décadas, a relação entre os Estados Unidos e Cuba foi marcada pela discórdia e profundos desentendimentos políticos. "Durante a minha presidência, trabalhamos muito para colocar o passado para trás, prosseguindo [em direção] a um futuro no qual a relação entre os nossos dois países não é definida pelas nossas diferenças, mas pelas muitas coisas que partilhamos como vizinhos e amigos, laços de família, cultura, comércio e humanidade comum. Este engajamento inclui as contribuições dos cubano-americanos, que tanto fizeram pelo nosso país e que se preocupam profundamente com seus entes queridos em Cuba", disse Obama.

Em relação à morte de Fidel Castro, Obama disse: "Hoje, oferecemos condolências à família de Fidel Castro, e nossos pensamentos e orações estão com o povo cubano. Nos próximos dias, eles vão recordar o passado e também olhar para o futuro. Como eles, o povo cubano deve saber que eles têm um amigo e parceiro nos Estados Unidos da América".

Os fatos que fazem a história

Fidel Castro governou Cuba desde 1959, quando se tornou o primeiro-ministro. Em 2008, Fidel transferiu o poder para seu irmão, Raul Castro.

Seguem abaixo os principais fatos que marcaram Cuba desde a ascensão de Fidel Castro ao poder:

1959: Depois de liderar uma guerrilha, Fidel Castro depõe o ditador cubano Fulgêncio Batista e torna-se primeiro-ministro de Cuba.

1962: Os Estados Unidos impuseram o embargo econômico a Cuba, que permanece até hoje.

1961: Exilados cubanos apoiados pela CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) lançaram uma invasão fracassada da Baía dos Porcos.

1962: A colocação do armamento nuclear soviético na ilha provocou a Crise de Mísseis de Cuba. Durante 13 dias o mundo chegou muito próximo a uma guerra atômica entre Estados Unidos e União Soviética.

1991: O colapso da União Soviética, que dava apoio financeiro a Cuba, desencadeou uma crise econômica em território cubano.

1996: Jatos cubanos derrubaram dois pequenos aviões operados por um grupo ativista, acusado pelo governo cubano de espionagem.

1999-2000:Houve uma batalha sobre a custódia Elián González, um menino resgatado quando um barco que o transportava para os Estados Unidos virou. A batalha envolveu parentes de Elián nos Estados Unidos e em Cuba. Gonzalez foi finalmente devolvido a Cuba.

2008: Fidel Castro transfere o poder a seu irmão, Raúl Castro.

2014: O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o presidente cubano, Raúl Castro, anunciam uma aproximação diplomática.

2016: Obama se torna o primeiro presidente dos Estados Unidos a visitar a ilha em 88 anos.

2016: Fidel Castro morre aos 90 anos.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati