Dívida dos países africanos chegará a 64% do PIB em 2020

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

17 de abril de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Sede do FMI em Washington, Estados Unidos

Diante de uma crise econômica e de saúde sem precedentes, a África Subsaariana sofrerá uma contração econômica de 1,6%. Isso é aparente no último relatório sobre as perspectivas econômicas para o continente, divulgado na quarta-feira pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que realiza suas reuniões de primavera nesta semana por videoconferência.

Segundo o relatório, os países ao sul do Saara estão enfrentando três grandes choques: interrupção na produção econômica, recessão global e uma forte queda nos preços dos comódites. O FMI prevê, portanto, que a dívida dos países da África Subsaariana aumentará de 58% em 2019 para 64% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. A instituição financeira com sede em Washington, D.C prevê um retrocesso global de cerca de 3%, um declínio muito pior do que durante a crise financeira de 2007–2008.

O fechamento dos locais de trabalho, a interrupção das cadeias de suprimentos e a redução da força de trabalho devido a doença ou mortes podem ter um efeito profundo na produção. Além disso, o confinamento pode ter efeitos devastadores (por exemplo, insegurança alimentar) em famílias vulneráveis que vivem em condições precárias.

FMI

Em grande parte dependentes de matérias-primas, os países africanos já são atingidos pelo colapso dos preços do petróleo. Na Nigéria, a maior economia ao sul do Saara, espera-se uma contração de 3,4%. Mesmo cenário na África do Sul, onde a atividade econômica já estava em declínio antes do pico da pandemia. Organizações da sociedade civil, alguns países e até o Vaticano, já deram o alarme, pedindo o cancelamento da dívida para os países pobres.

Na segunda-feira, a diretora administrativa do FMI, Kristalina Georgieva, anunciou "alívio imediato da dívida" em cerca de 20 países africanos. "Para todos os países, a prioridade é reduzir o custo humano da crise para o nível mais baixo possível, acelerando a preparação dos sistemas de saúde", sublinha o relatório da instituição.

Fontes