Cruz Vermelha Internacional deixa a Guiné-Bissau após 23 anos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de novembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Agência VOA

A Cruz Vermelha Internacional (CVI) deixará a Guiné-Bissau 23 anos depois da sua instalação em Bissau por considerar que o país não está em guerra nem enfrenta violência.

A organização, no entanto, continuará a olhar e, eventualmente, atender o país a partir do escritório no Senegal.

A chefe da delegação da CVI em Bissau revelou a notícia em conferência de imprensa nesta sexta-feira, 19, em Bissau e justificou a decisão com o facto de o país "não estar em guerra ou com violência".

“Foi um acto normal que não foi tomado de forma ligeira", acrescentou Valentina Bernasconi, enfatizando que a CVI não apoia programas de desenvolvimento, mas sim em casos humanitários em países em guerra ou com conflitos violentos.

Entretanto, o Centro de Reabilitação Motora de Quelelé, criado e financiado pela CVI passará a ser gerido pelo Ministério da Saúde.

Refira-se que a Cruz Vermelha da Guiné-Bissau continuará a funcionar normalmente.

Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit