Covid-19: mais 6 mil mortes foram evitadas na Inglaterra com vacinação, aponta análise

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

5 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

No dia 25 de março passado, o Ministério da Saúde do Reino Unido divulgou um comunicado sobre uma análise realizada pela Public Health England (PHE) que sugere que o programa de vacinação contra covid-19 evitou 6.100 mortes em pessoas com 70 anos ou mais na Inglaterra até o final de fevereiro de 2021.

De 8 de dezembro de 2020 até o final de janeiro de 2021, mais de 4 milhões de doses de vacina haviam sido aplicadas em adultos com 70 anos ou mais. A análise comparou o número de mortes observadas com o número de mortes que seria esperado, se a vacina não tivesse sido aplicada durante este período de tempo.

Para dar o tempo necessário para o desenvolvimento uma resposta do sistema imunológico à imunização, a análise presumiu que levaria 31 dias antes que o efeito da vacinação nas mortes fosse observado. Usando este método, o PHE estimou que cerca de 6.100 mortes foram evitadas até o final de fevereiro - 5.900 nas pessoas com 80 anos ou mais e 200 nas pessoas com 70 a 79 anos.

Os resultados são muito semelhantes aos estimados pela Warwick University (também publicados no dia 25 de março), que usou uma abordagem diferente para estimar o número de mortes com e sem o programa de vacinação. A estimativa da Warwick University sugere que o programa evitou cerca de 6.600 mortes em todas as faixas etárias.

Novas vacinas a caminho

A vacina da Moderna também foi aprovada pelo MHRA, a agência reguladora local, e começará a ser utilizada ainda nesta primavera. A MHRA também está avaliando as vacinas da Janssen e da Novavax.

Dados de um estudo da Public Health England (PHE) mostram que as vacinas Pfizer-BioNTech e Oxford-AstraZeneca são altamente eficazes na redução de casos de covid-19 em idosos a partir dos 70 anos de idade.


Notícia Relacionada[editar]

Fontes[editar]



Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit