Covid-19: União Europeia se prepara para implantar Certificado Verde

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Moradores dos 27 países da União Europeia (UE) logo terão sinal verde para viajar livremente, desde que apresentem o Cerificado Verde para a covid-19, em versão digital ou não. O Certificado virá com um código QR para evitar falsificações.

A proposta foi apresentada aos representantes dos países ontem pela Comissão Europeia e a implantação deve começar ainda este mês, com a expectativa de que já no início do verão europeu, entre meados de maio e início de junho, o Certificado esteja em pleno uso.

Receberão o Certificado pessoas que tenham tomado uma das vacinas contra covid aprovadas pela EMA (Agência Europeia de Medicamentos), que tenham um atestado de já ter tido a doença anteriormente e que tenham um teste negativo para o Sars-Cov-2.

E quem não tiver sido vacinado?

A Comissão garantiu que a livre circulação "é um direito fundamental na UE", portanto, quem não tiver o certificado poderá, sim, viajar.

No entanto, segundo a Comissão, o documento facilitará a livre circulação dos viajantes, já que alguns países poderão aplicar medidas de restrição para conter o avanço da covid, mesmo no verão.

E quem tiver sido imunizado com uma vacina não aprovada pela EMA?

Segundo a Comissão, "os certificados de vacinação serão emitidos para uma pessoa vacinada com qualquer vacina", porém, os países-membros não terão obrigação de aceitar os documentos emitidos para vacinas não aprovadas pela EMA.

Isto pode causar entraves, por exemplo, para viajantes da Hungria, que para intensificar a imunização da população tem usado as vacinas Sputnik V e Sinopharm, ainda não aprovadas na União Europeia.

A Comissão também esclareceu que esta regra poderá mudar no futuro.

A EMA chegou a analisar a Sputnik V, mas não autorizou o uso e chamou o imunizante de "uma roleta russa" devido a falta de dados sobre a vacina.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit