Covid-19: Brasil participará de estudo de Fase 3 do medicamento Molnupiravir

Fonte: Wikinotícias

6 de outubro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Fiocruz anunciou hoje que o Brasil fará parte do estudo de Fase 3 com o medicamento Molnupiravir, desenvolvido pela farmacêutica Merck (MSD). No país, sete centros participarão da pesquisa, nos estados do Amazonas, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

O estudo começará já na semana que vem e tem como objetivo verificar a eficácia do medicamento para evitar a propagação e transmissão da covid-19 entre pessoas expostas ao vírus Sars-CoV-2. Serão avaliadas pessoas que residem com uma pessoa que testou positivo para a doença, que terão que fazer um tratamento que consiste no uso da droga, por via oral, duas vezes ao dia, durante cinco dias consecutivos.

O anúncio vem poucos dias após a Merck ter comunicado que a droga, num experimento inicial, havia reduzido em cerca de 50% as chances de pacientes recém-diagnosticados com covid-19 serem hospitalizados.

O Molnupiravir

O molnupiravir foi desenvolvido na Emory University pela empresa de inovação de medicamentos da universidade, a Drug Innovation Ventures at Emory (DRIVE) em 2014, inicialmente para tratar encefalite equina venezuelana (VEEV). Estudos posteriores revelaram que ele tinha atividade também contra outros vírus de RNA, incluindo o influenza, ebola, chicungunha e vários coronavírus.

Richard Plemper, professor da Georgia State University, foi o principal responsável por explorar o uso do molnupiravir contra a gripe e já no final de 2019 Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos aprovou os ensaios clínicos de Fase 1 para o vírus influenza.

Em março de 2020, a equipe de pesquisa começou a estudar o Sars-Cov-2 e usou com sucesso a droga para tratar células humanas infectadas com o novo coronavírus.

A DRIVE então licenciou o molnupiravir para a empresa Ridgeback Biotherapeutics, de Miami, que mais tarde se associou à Merck para desenvolver ainda mais o medicamento.

O nome da droga foi inspirado no martelo de Thor, Mjölnir. A ideia é que a droga abata o vírus imediatamente, como um golpe poderoso do Deus do Trovão.

Notícias Relacionadas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]