Coreia do Sul vai aderir às sanções da Rússia, mas não fará as suas próprias

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Autoridades sul-coreanas reiteraram na sexta-feira que implementarão sanções dos EUA e da Europa às exportações russas, mas que Seul não imporá as suas próprias. As sanções foram impostas esta semana em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia.

“Como membro responsável da comunidade internacional, o governo coreano apoiará e unirá seus esforços, incluindo sanções econômicas, para conter a invasão armada [da Rússia] e resolver a situação pacificamente”, disse o Ministério das Relações Exteriores na sexta-feira em um post no Twitter. Isso ecoou as observações feitas um dia antes pelo presidente Moon Jae-in, que defendeu uma resolução através do diálogo e da negociação, não da guerra.

Semicondutores, eletrônicos e automóveis, as principais exportações da Coreia do Sul para a Rússia, podem ser afetados pelos mais recentes controles de exportação anunciados pelo Departamento de Comércio dos EUA. Eles exigirão que as empresas que usam tecnologia de origem americana em produtos, como semicondutores, computadores e peças de aeronaves, recebam a aprovação de Washington antes de enviá-los para a Rússia.

“Entre nossas ações e as de nossos aliados e parceiros, estimamos que cortaremos mais da metade das importações de alta tecnologia da Rússia”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, na quinta-feira, ao anunciar as novas restrições.

Embora alguns estados da Ásia-Pacífico, incluindo Japão e Austrália, tenham anunciado suas próprias sanções contra a Rússia, a Coreia do Sul disse que não tem planos de fazer o mesmo, por enquanto.

“O que estamos dizendo é que naturalmente cumpriremos as sanções conforme são emitidas pelos EUA e nações europeias”, disse o porta-voz presidencial Park Soo-hyun em uma entrevista de rádio na sexta-feira.

“Também temos que ter em mente que nossas relações comerciais com a Rússia estão crescendo”, disse ele.

Na quarta-feira, uma autoridade presidencial que falou sob condição de anonimato disse a repórteres que havia várias opções sobre a mesa e que a posição de Seul poderia ser ajustada dependendo da duração da crise, sua direção e as respostas de outros países.

A posição de Seul contrasta com a do Japão, que estendeu as sanções na sexta-feira para incluir semicondutores e outros produtos de alta tecnologia, bem como o congelamento dos ativos dos bancos russos. Anteriormente, havia proibido novas autorizações de viagem para indivíduos das chamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk, depois que o presidente russo, Vladimir Putin, decidiu reconhecer esses territórios ucranianos no início desta semana.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, caracterizou a invasão da Rússia como uma “tentativa unilateral de mudar o status quo… com ramificações para a ordem internacional, não apenas na Europa, mas na Ásia e além.”

A resposta da Coreia do Sul até agora tem sido em grande parte voltada para dentro – estabelecendo uma força-tarefa do governo com as empresas afetadas, bem como o monitoramento ininterrupto dos riscos globais, como o preço do petróleo e do gás natural.

Moon pediu o uso total das atuais usinas nucleares em uma reunião de inspeção da cadeia de fornecimento de energia na sexta-feira, marcando uma aparente reversão da política de eliminação nuclear de seu governo. Espera-se que o fluxo global de GNL seja interrompido pela crise que se desenrola na Ucrânia.

Fontes