Congresso do PAIGC mergulhado na incerteza

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Domingos Simões Pereira durante a visita do Secretário da Marinha, Ray Mabus, na cidade de Bissau em 2015.

Agência VOA

Simões Pereira diz que congresso vai realizar-se. Presidente do parlamento denuncia "plano macabro" para se prender o líder do partido

28 de janeiro de 2018

A situação política na Guiné Bissau está de novo mergulhada na incerteza na sequência de notícias de que um tribunal regional tinha ordenado a suspensão do congresso do principal partido parlamentar o PAIGC previsto para se iniciar Terça-feira.

O tribunal teria ordenado a suspensão como parte de uma providência cautelar por militantes que alegadamente disseram ter sido descriminados na escolha de delegados para o congresso.

Mas o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira disse hoje que o seu partido não recebeu qualquer notificação judicial e que por isso o congresso deverá iniciar-se na Terça-feira como revisto.

Domingos Simões Pereira disse que mesmo se houver acções judiciais o congresso deverá realizar-se pois essas ”não deverão constituir qualquer tipo de impedimento para o início e o bom desenrolar dos trabalhos”.

A actual incerteza sobre o congresso do PAIG reflecte as profundas divisões dentro do partido na sequência da expulsão de vários deputados em 2015.

O presidente do parlamento guineense Cipriano Cassamá enviou entretanto uma carta à representação da União Europeia denunciando “uma intensão deliberada” das autoridades prenderem Simões Pereira.

Na carta Cassamá diz haver “um plano macabro” para instalar a ditadura no país.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati