Congresso americano vai rever acordo com o Irão

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Obama avisa que vetará qualquer voto contra mas muitos Republicanos manifestam já dúvidas sobre o acordo.

14 de julho de 2015

O congresso americano tem agora 60 dias para estudar e votar sobre o acordo. Questões como que tipo de inspecções e o que vai acontecer ao fim dos 15 anos do acordo são alguns dos aspectos que o congresso irá sem dúvida estudar.

O Presidente Obama tornou hoje, 14, claro que caso o congresso não aprove o acordo ele usará do seu poder de veto para anular essa decisão o que na prática significa que para ultrapassar esse veto o congresso terá novamente que votar contra com dois terços do voto e isso será difícil.

Mas o que é certo é que a administração Obama vai ter que explicar muito em audiências no Senado e Câmara dos Representantes os termos do acordo.

Muitas dessas audiências serão à porta fechada devido a aspectos secretos do acordo ou pormenores envolvendo actividades dos serviços de espionagem.

Contudo, do lado do partido republicano, que controla ambas as câmaras do congresso, há forte oposição ao acordo.

O senador republicano Tom Cotton disse já que para ele o Irão deveria ter uma escolha bem simples: desmantelar todo o programa nuclear ou “fazer face à devastação económica e destruição militar dos seus complexos nucleares”.

Houve também já reacção por parte de muitos dos candidatos à presidência.

O antigo governador da Florida Jeb Bush disse num tweet que mesmo especialistas que trabalharam para a administração Obama tinham afirmado que o acordo não irá impedir o Irão de obter a capacidade de construir armas nucleares.

O senador Marco Rubio foi um dos 47 senadores republicanos que no início deste ano enviaram uma carta aos líderes do Irão afirmando que qualquer acordo com a administração Obama poderá não ser prolongado após Obama deixar a Casa Branca no inicio de 2017.

It will be left to the next President to return us to a position of American strength and re-impose sanctions on this despicable regime.

Marco Rubio (@marcorubio), 10:30 (14 jul 2015), Twitter

O senador republicano Ted Cruz disse que a sua primeira prioridade como presidente será parar um mau acordo que “põe em perigo as vidas de milhões de americanos e dos seus aliados”.

Outro republicano que concorre à presidência é Rand Paul que disse ter um ponto de vista diferente de outros republicanos. Penso disse ele que as sanções devem ser mantidas mas que a porta as negociações deve estar aberta por ser uma melhor alternativa do que a guerra.

Hillary Clinton que todos pressupõem ser a candidata do Partido Democrático disse também que mesmo com um acordo os Estados Unidos continuarão a ter grandes problemas com o Irão.

Clinton acusou o Irão de ser o principal patrocinador do terrorismo usando organizações como Hezbollah para destabilizar países e governos.

Tendo em conta que Israel declarou já a sua oposição ao acordo descrevendo-o como um “erro de proporções históricas”, é de prever que o governo israelita use a sua diplomacia e o seu lobby em Washington para tentar impedir a aprovação do acordo.

A salientar aqui que embora o congresso possa não ter os dois terços dos votos para ultrapassar qualquer veto do presidente é ao congresso que compete levantar sanções que foram por si aprovadas. O aplicação do acordo pode estar dependente disso.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati