Confrontos violentos resultou na morte de um adolescente no Chile

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

26 de agosto de 2011

Estudante chileno detido

Após dois dias de protestos que mobilizaram 600 mil chilenos e várias organizações sociais, em apoio a greve nacional organizada pela Central Unitária de Trabalhadores (CUT),morreu nesta madrugada de sexta feira (26) um adolescente de 14 anos, chamado Manuel Gutiérrez, que fazia parte do movimento estudantil que à três meses está em greve, por educação gratuita e melhoria no sistema de ensino.

Segundo correspondentes do jornal Carta Maior, no Chile, foi o maior protesto desde de Pinochet. Os dois dias foram marcados por violentos confrontos entre a polícia e os manifestantes. O encontro foi marcado no centro de Santiago e cerca de 400 mil pessoas protestavam com cartazes e faixas contra políticas de privatização da Educação, saúde e fundos sociais e outras reivindicações trabalhistas. Segundo o Presidente da CUT, Arturo Martínez, 90 cidades chilenas estiveram envolvidas na mobilização.

Os confrontos começaram quando polícia avançou em cerca de 300 jovens encapuzados que armaram barricadas e enfrentaram os carabineiros (assim chamada a polícia chilena). Mesmo não justificando os atos dos encapuzados algumas pessoas do movimento apoiaram a forma como protestavam. Os manifestantes foram atingidos com gás lacrimogêneo. Policiais e civis ficaram feridos, e um o adolescente foi morto.

Segundo testemunhas Manuel foi morto por tiros no peito vindo dos policiais que estavam perto das barricadas. Todavia não se sabe quem disparou os tiros, e foi a primeira morte que ocorreu no confronto. O subsecretário do Ministério do Interior, Rodrigo Ubilla disse "que quando há um morto não faz muito sentido falar em destruição da propriedade e dos feridos" referindo-se aos saques e destruição de propriedades privadas.A polícia chilena nega estar envolvida na morte do jovem baleado.

Em comunicado Sebastián Piñera, presidente do Chile, disse que quer dialogar com os estudantes para dar fim ao conflito. "Convoco os estudantes para que iniciemos agora mesmo um diálogo em La Moneda, pois o caminho da violência não conduz a nada e só produz dor à maioria dos chilenos".

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati