Confrontação entre Nebot y Correa em seus discursos por festas julianas do Guayaquil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


25 de julho de 2015

Por ocasião da celebração dos 480 anos de fundação da cidade de Guayaquil, tanto o prefeito, Jaime Nebot, como o presidente do Equador, Rafael Correa, realizou duas sessões solenes paralelas durante a 25 de julho, em que Eles foram confrontados nos seus discursos sobre a actual situação política.

Sesão solene do oficialismo.
Foto: agenciaandes_ec.

Presidente Correa participaram do encontro popular criado pelo governador de Guayas na área de North Florida, a nordeste da cidade, que também contou com a presença do Vice-Presidente, Jorge Glas, presidente e segundo vice-presidente da Assembleia Nacional, Gabriela Rivadeneira e Marcela Aguinaga, o prefeito de Guayas, Jimmy Jairala, entre outros. O presidente equatoriano expressou sua insatisfação contra a oposição, que diz que a tentativa de desestabilizar seu governo. Ele também criticou a gestão que está sendo feito pelo prefeito de Guayaquil, que chama de desleal. Ele pediu que as pessoas convocadas lá para defender os projetos de lei sobre heranças e ganhos de capital, que foram interrompidos por causa das diferentes marchas organizadas a partir de junho.

O bem público não vai submeter-se às supostas necessidades da economia: os interesses de um poderoso poucos, se isso tem custo, para resistir, mas mudou radicalmente o país agora ou nunca mudam.

Rafael Correa, presidente do Equador

Prefeito Nebot, em sua tradicional sessão solene da parte sul do Malecon 2000 no centro da cidade, foi ratificado em seu questionamento e da crítica da gestão do governo nacional e as políticas que estão a ser impostas à liberdade de expressão. Prefeito Nebot disse que o progresso do país está em risco devido ao controle que você quer ter o governo nacional para os cidadãos, que vão desde a imposição de um único partido político para controlar a mídia. Ele criticou ainda o modelo de Chavez da Venezuela, Nicolas Maduro, e expressou preocupação de que ele é implementado no país. Ele também discutiu os projetos de lei sobre heranças e ganhos de capital, que propõe o governo Correa, e disse que o diálogo proposto pelo partido no poder é falsa.

Eles destruíram o motor confiança de desenvolvimento; ninguém quer investir, o autoparo é nacional; nenhum crédito ou de liquidez, a indústria da construção, a maior geradora de empregos, é recolhido.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati