Comitiva liderada por Carlos Brandão conhece processo de fabricação da vacina Butanvac

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O vice-governador Carlos Brandão liderou, na segunda-feira (5), uma comitiva formada pelos secretários de Estado da Saúde, Carlos Lula e de Articulação Política, Rubens Júnior, em visita ao Instituto Butantan. O objetivo foi conhecer o processo de fabricação da vacina Butanvac, a primeira vacina contra a Covid-19 produzida inteiramente no Brasil.

A agenda em busca de mais vacinas incluiu, também, reunião com o governador de São Paulo, João Dória, no Palácio dos Bandeirantes. Após o diálogo, a comitiva maranhense seguiu para a sede do Instituto Butantan, onde todos conheceram mais sobre os trâmites necessários para a fabricação da vacina.

Para Carlos Brandão, a fabricação da vacina brasileira representa uma esperança de mais uma opção viável, que poderá reforçar as ações de combate do novo coronavírus no país.

“A expectativa é muito grande de salvar milhares de vidas. O governo do Estado tem estudado novas ofertas para a aquisição de mais doses de imunizantes contra a Covid-19. Conhecemos, hoje, as instalações do Instituto Butantan e todo o processo de fabricação da Butanvac. Inclusive, já manifestamos o nosso interesse na compra da vacina, tão logo seja aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, pontuou o vice-governador.

Na ocasião, o diretor do Instituto, Dimas Tadeu, agradeceu a visita da comitiva e destacou a gravidade da situação em todo o país, frisando que o cumprimento das medidas restritivas ainda é a melhor forma de conter a circulação do vírus.

“A situação da epidemia, nesse momento, é muito grave, e requer muito mais do que vacinas para contê-la. As vacinas são importantes, não há dúvida nenhuma. Mas as medidas restritivas de combate ao novo coronavírus são muito mais importantes para conter a circulação do vírus”, reforçou o diretor.

Participaram da reunião, o diretor do Instituto, Dimas Tadeu; o diretor de estratégias jurídicas, Paulo Luís Capelloto; e a diretora de projetos estratégicos, Cintia Retz.

Butanvac

O imunizante começou a ser desenvolvido em março de 2020 e utiliza uma tecnologia segura e barata: a inoculação do vírus em ovos embrionados de galinhas.

A expectativa do Butantan é a de que a pesquisa clínica, que comprovará a segurança e a eficácia da Butanvac, seja realizada em cerca de dois meses, e de que esteja disponível à população ainda neste ano.

Além da Butanvac, o Governo do Maranhão já assinou contrato de compra da vacina russa Sputnik V, caso não seja efetuada pelo governo federal. Um investimento de mais de R$ 260 milhões na aquisição de 4,5 milhões de doses.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit