Comissária da Polícia Metropolitana de Londres renuncia em meio a críticas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

13 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Cressida Dick no cortejo fúnebre do policial assassinado Keith Palmer em 10 de abril de 2017.
Imagem: Katie Chan.

A comissária da Polícia Metropolitana de Londres (Met) no Reino Unido, Cressida Dick, renunciou depois de perder a aprovação do prefeito de Londres, Sadiq Khan.

A renúncia ocorreu poucas horas depois que ela garantiu à BBC Radio London que não tinha “absolutamente nenhuma intenção” de deixar o cargo. No entanto, em seu discurso de renúncia, ela concluiu que Khan “não tem mais confiança suficiente em minha liderança para continuar”, acrescentando que o prefeito a deixou “sem escolha a não ser se afastar.”

Khan colocou Cressida “em alerta” desde 2 de fevereiro com objetivo de reformar o serviço policial, um dia após a divulgação de um relatório sobre a conduta. O relatório de 1 de fevereiro do Escritório Independente de Conduta Policial (IOPC) concluiu incidentes “vergonhosos” de bullying, discriminação, misoginia e assédio sexual. Cressida sobreviveu a vários escândalos desde 2019, depois de ser acusada e inocentada de “deliberadamente [enganar] o público” sobre a investigação inconclusiva da Operação Midland.

No entanto, as críticas recentes centraram-se na “corrupção institucional”, o que Cressida nega. Também envolve comentários racistas, sexistas, homofóbicos e islamofóbicos de alguns de seus policiais entre 2016 e 2018. O relatório de 1 de fevereiro descobriu que dos quatorze policiais investigados por mensagens depreciativas e sexistas em dois grupos do WhatsApp e um do Facebook, nove continuam servindo. Além disso, dois foram promovidos de policial a sargento.

A polícia também foi criticada por sua investigação tardia de uma série de reuniões realizadas em Downing Street por membros do Partido Conservador, incluindo o primeiro-ministro Boris Johnson, apesar das restrições do Covid-19. Fontes disseram ao The Guardian que havia desânimo, que alguns veem como parcialmente resultantes da “defensividade” de Cressida.

Em um comunicado, Khan disse que “não está satisfeito com a resposta da comissária” às suas exigências de mudança “que acredito ser urgentemente necessária para reconstruir a confiança dos londrinos.” Ele acrescentou que a reforma é necessária "para erradicar o racismo, o sexismo, a homofobia, o bullying, a discriminação e a misoginia que ainda existem". Khan achou que uma reunião inicial com Cressida depois que o relatório veio à tona era inadequada; ela renunciou antes de outra reunião.

Uma vigília para Sarah Everard em Sheffield (13 de março de 2021).
Imagem: Tim Dennell.

Também há descontentamento com a manipulação do assassinato de Sarah Everard pelo oficial Wayne Couzens. Quatro pessoas que participaram de uma vigília em sua homenagem no ano passado foram presas por violar as restrições do Covid-19. Além disso, a polícia enfrentou críticas em outubro depois de informar as mulheres que temiam um policial se aproximando para ligar ao 999. Caso contrário, "gritando para um transeunte, entrando em uma casa, batendo em uma porta, acenando para um ônibus" eram aconselhados. Isso foi acompanhado por uma nova estratégia contra a violência sexual e a formação de uma unidade dedicada contra criminosos predatórios.

Tanto o Met quanto o governo lançaram investigações separadas sobre como a polícia lidou com o assassinato de Everard.

Em dezembro, dois policiais foram presos por 33 meses depois de tirar e compartilhar fotos no WhatsApp das irmãs assassinadas Bibaa Henry e Nicole Smallman. A mãe delas, Mina Smallman, rejeitou um pedido de desculpas da polícia, acusando-a de racismo e de "desumanizar nossas filhas".

Na entrevista anterior à Radio London, Cressida, então inflexível de que não renunciaria, disse que estava “fervendo de raiva” com a reportagem de 1 de fevereiro. Ela encorajou que fosse responsabilizada, dizendo que “é um grande trabalho”, mas ela estava “fazendo o seu melhor.” Ela sustentou que o Met era “extremamente capacitado de muitas maneiras.” No entanto, ela reconheceu que sua reputação foi manchada pelas “terríveis [descobertas no relatório] e também algumas outras coisas terríveis que aconteceram e vieram à tona nos últimos meses.”

Ela afirma ter buscado liderar uma “transformação real” para combater o mau comportamento no Met e sustentou que “pode ​​haver e provavelmente haverá, nos próximos meses, mais alguns exemplos que serão embaraçosos ou repugnantes”. A correspondente da BBC, Lauren Moss, disse que, embora o Met tenha emitido muitas desculpas no passado, este foi o primeiro a vir da própria Cressida.

As reações à renúncia de Cressida foram mistas. O ex-superintendente do IOPC e oficial do Met, Nursit Mehtab, disse ao jornal i que deixar o cargo era parte da ação radical necessária para combater uma "subcultura" de sexismo e racismo. Mehtab acrescentou: "O nível de violência contra as mulheres expresso nas mensagens [do Facebook e do WhatsApp] prejudica a confiança que mulheres e meninas têm na polícia".

Alastair Morgan, irmão do investigador particular assassinado Daniel Morgan, disse ao The Guardian que "desde [a primeira interação com Cressida em 2012] tudo o que ela fez em relação à minha família foi apenas atrasar, obstruir e decepcionar em um nível enorme". Embora "é uma pena que estejamos vendo outro comissário desaparecer sob uma nuvem de fumaça". Ricky Waumsley, cujo parceiro Daniel Whitworth foi um dos quatro alvos do serial killer Stephen Port, ficou "feliz". Ele disse: "Eu responsabilizei Cressida por falhas e fiz uma declaração de que ela deveria renunciar com efeito imediato".

Os apelos permanecem para instituir mudanças duradouras. Ruth Davidson, da instituição de caridade Refuge, disse que “uma renúncia no topo não significa que a polícia resolveu seu problema de misoginia” e pediu “reforma básica” em todo o Reino Unido. Mehtab disse: “Não são apenas algumas ‘maçãs podres’, que é um termo que o Met continua usando para desviar as críticas” por seu comportamento. O jornalista Robert Verkaik aludiu aos atuais escândalos enfrentados pela força policial à investigação de corrupção policial da década de 1970, Operação Countryman, que resultou em centenas de oficiais do Met renunciando ou se aposentando, além de oito processos.

Manchetes do Evening Standard exibidas na estação anunciam os atentados de 7 de julho de 2005.
Imagem: Ellywa.

No entanto, Cressida encontrou apoio no presidente do Met, Ken Marsh, que disse que "deveria ter tido a oportunidade e o tempo necessário para recuperar a confiança no serviço policial metropolitano". Khan, a secretária do Interior, e o primeiro-ministro Boris Johnson a agradeceram por seu serviço. Johnson, ex-prefeito de Londres atualmente sob investigação, disse que Cressida "serviu seu país com grande dedicação e distinção".

Khan prometeu trabalhar em estreita colaboração com Patel para nomear um novo comissário “para que possamos agir rapidamente e restaurar a confiança no serviço policial da capital, mantendo Londres segura.” Cressida continuará servindo como zeladora antes que um sucessor seja decidido.

Cressida ingressou na polícia em 1983 e liderou a Operação Trident anti-gangue em 2003. Como chefe da Operação Kratos após os atentados de 7 de julho de 2005 em Londres, Cressida foi investigada, mas inocentada. Ela se tornou a primeira mulher comissária em 22 de fevereiro de 2017, ganhando um salário de GBP 230 mil.

O jornal i entende que Khan se orgulha do histórico de Cressida contra crimes violentos, embora o número de adolescentes mortos em Londres no ano passado tenha atingido seu nível mais alto desde 2008.

Fontes