Cientistas buscam voluntários para testes com vacina contra o HIV

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vírus da imunodeficiência humana

21 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Jornal da USP

Uma linha de pesquisa promissora avança na criação de vacinas contra o HIV, 40 anos após a descoberta do vírus. O estudo é conduzido na Europa, África e América, incluindo o Brasil. Mais de 6 mil pessoas participam dos testes.

“A gente nunca esteve tão próximo de uma vacina de prevenção ao HIV realmente interessante para aplicação em larga escala” afirma, ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, Ricardo Vasconcellos, professor da Faculdade de Medicina (FM) da USP, pesquisador e coordenador da fase três do estudo no Hospital das Clínicas da FMUSP.

Segundo o professor, a agilidade na criação de vacinas contra a covid-19 faz com que as pessoas cobrem a mesma celeridade para a vacina contra o HIV, mas ele ressalta que são processos com complexidades diferentes.

A primeira etapa da pesquisa foi uma fase pré-clínica, testada em animais. Segundo Vasconcellos, a vacina foi inicialmente testada em macacos e induziu uma boa resposta imune. As infecções nos animais vacinados foram reduzidas em 67% se comparadas aos que não receberam o imunizante. “Isso, na fase pré-clínica, é algo inédito”, diz. “Mas a gente precisa segurar a nossa ansiedade.”

Para verificar o desempenho, em seres humanos, foi iniciada a fase clínica. As primeiras etapas analisam a segurança e a gravidade dos efeitos colaterais. Em seguida, confirmada a segurança, a fase três é realizada para avaliar a eficácia da vacina.

O teste com os voluntários é randomizado por computador, de modo que os participantes e os pesquisadores não saibam quem recebeu o imunizante e quem recebeu placebo. Então, essas pessoas são acompanhadas para verificar se houve diferença nos casos. “O que a gente acredita que vai acontecer é que entre aqueles vacinados acontecerão menos infecções do que nos que receberam placebo.”

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit