Cientistas anunciam novo tratamento contra o ebola

19 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os resultados publicados na Cell revelam o desenvolvimento de um novo tratamento com anticorpos para a doença mortal causada pelo vírus ebola e seus parentes.

Cientistas do Instituto La Jolla de Imunologia (LJI) e do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, com sede nos Estados Unidos, identificaram dois anticorpos, 1C3 e 1C11, que podem atacar os vírus Zaire ebolavirus e Sudan ebolavirus.

Atualmente, não há vacinas ou coquetéis de anticorpos disponíveis para tratar além do Zaire. A presidente e CEO da LJI, Erica Ollmann Saphire, disse: “Encontrar anticorpos com essa amplitude é importante porque não sabemos qual vírus do gênero ebola vai surgir a seguir”.

Dos seis vírus ebola conhecidos pela ciência, Zaire e Sudan são os dois mais mortais: o surto de 2010 que matou onze mil foi causado pelo vírus Zaire.

A nova contribuição feita neste artigo é que os cientistas usaram a técnica de imagem microscopia eletrônica criogênica para observar como e onde os anticorpos interagem com os vírus.

A equipe viu que o 1C3, em vez de se ligar ao local alvo na glicoproteína viral da maneira típica, grudou-se lateralmente, bloqueando três locais de ligação ao mesmo tempo. Os anticorpos funcionam ligando-se aos patógenos e neutralizando seus antígenos.

O 1C11 funciona interferindo nas moléculas que o vírus usaria para entrar em uma célula. Como os vírus Zaire e Sudan usam mecanismos muito semelhantes, o 1C11 é eficaz contra ambos.

De acordo com a equipe de pesquisa, a principal vantagem que esses dois anticorpos têm sobre os outros é que eles são resistentes à reatividade cruzada. Quando alguns vírus entram no corpo, incluindo os vírus citados, eles produzem glicoproteína em excesso e a liberam. Isso faz com que muitos dos anticorpos do corpo se liguem a essa glicoproteína, até 90% deles. 1C3 e 1C11 não; eles se ligam apenas ao vírus real.

Isso significa que os tratamentos com anticorpos baseados em 1C3 e 1C11 provavelmente serão eficazes em doses muito mais baixas do que outros tratamentos, como os primeiros experimentos já mostraram: um tratamento já foi testado em primatas não humanos, e mesmo as doses mais baixas usadas foram 100 por cento eficaz. Isso também significa que o tratamento humano pode ser muito mais barato de produzir do que o esperado.

Segundo LJI, o tratamento com base nesses dois anticorpos ofereceria duas vantagens em relação aos tratamentos existentes. Primeiro, os pacientes com espécies não diagnosticadas de ebola podem ser tratados com um coquetel de anticorpos que é eficaz contra mais de um vírus. Como os médicos nem sempre têm tempo para descobrir qual vírus um paciente tem, isso pode salvar muitas vidas. Em segundo lugar, esses anticorpos seriam eficazes em pacientes com estágios mais avançados da doença.

Os experimentos foram conduzidos usando amostras doadas à Emory University por dois sobreviventes do ebola.

Fontes