Ciclone à vista: novo sistema atingirá RS; há alerta para tempo severo

Fonte: Wikinotícias

25 de setembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um novo ciclone extratropical está em formação no Rio Grande do Sul (RS) e sua frente fria associada já provoca tempo ruim, que piorará entre amanhã e quarta-feira. A terça-feira, segundo o portal Metsul, "será dia de risco meteorológico muito alto a extremo no Rio Grande do Sul".

A baixa ingressará pelo nordeste da Argentina e passará sobre o norte gaúcho, mas o sistema terminará sua ciclogênese já sobre o Oceano Atlântico, a leste da cidade de Torres, onde o ciclone se formará. A situação meteorológica será piorada, também de acordo com a Metsul, uma corrente de jato em baixos níveis e a alta umidade. "A interação entre ar muito quente, baixa pressão atmosférica e abundante umidade vai formar nuvens carregadíssimas no Oeste, no Centro, parte do Sul e do Leste do estado no decorrer do dia", apontam os meteorologistas do portal.

Temporais com ventos, chuvas e até granizo são esperados isoladamente, mas na costa nordeste do RS e regiões adjacentes, incluindo a Metropolitana de Porto Alegre, como em partes do leste de Santa Catarina, o evento ciclônico provocará rajadas de ventos que podem chegar a 100km/h.

Chuvas, por vezes intensas, são esperadas em quase todo território gaúcho, incluindo no Vale do Taquari, atingido por enchentes mortais há três semanas, em solo catarinense e no sul e nordeste do Paraná. No RS, em cidades como Alegrete, Caxias do Sul, São Gabriel, Santa Maria e Torres pode chover mais de 200mm/24 horas, o que é a média de cerca de um mês, em meio a semanas seguidas de chuvas em todo estado. Em SC, nas regiões de Blumenau, Caçador, Criciúma e Lages também podem ocorrer precipitações de cerca de 200mm/24h.

Enchentes preocupam

Rios como o Caí, Sinos e Guaíba, que margeia Porto Alegre, preocupam.

Caí: com nascente na região de Caxias do Sul, é responsável por grandes enchentes no Vale do Caí, e provocou uma nova inundação há três semanas nas cidades de São Sebastião do Caí e Montenegro;

Sinos: o rio que banha São Leopoldo e outras cidades das redoncezas já está em nível de alerta, já tendo transbordado na cidade de Taquara;

Guaíba: a cheia, agravada pelo vento sul, que represa as águas do Lago Guaíba, fez com que hoje o prefeito decretasse o fechamento de quatro das oito comportas que protegem o centro da capital do RS contra inudanções. "O nível na régua do Cais Mauá atingiu nesta segunda-feira 2,76 metros, a terceira maior cota observada desde a grande enchente de 1941, somente atrás dos 3,13 metros de 1967 e os 2,97 medidos pela MetSul no Cais Mauá em outubro de 2015", apontou a Metsul.

Notícias Relacionadas

Fontes