Chilenos vão a plebiscito neste domingo para decidir sobre nova Constituição

Fonte: Wikinotícias

3 de setembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Mais de 15 milhões de chilenos irão às urnas no próximo domingo (4) para decidir se o país terá ou não uma nova Constituição. Os eleitores terão de responder se aprovam ou rejeitam o texto da Nova Constituição proposta pela Convenção Constitucional Paritária, formada por 77 homens e 77 mulheres, instalada em julho de 2021 e entregue ao presidente Gabriel Boric em julho passado. A atual Carta Magna é herança da ditadura do general Augusto Pinochet, que governou o Chile entre 1973 a 1990. A Constituição de 1980 foi mantida e passou por reformas para que o regime passasse de ditatorial para democrático.

A professora Ester Rizzi, do curso de Gestão de Políticas Públicas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP, que acompanha o plebiscito diretamente de Santiago para a Rádio USP, explica que esse processo constituinte é resultado de “uma revolta popular massiva e persistente, que tomou primeiro Santiago e depois todo o país”.

Em 2016, a então presidente Michelle Bachelet tentou elaborar uma nova Constituição, mas o processo fracassou politicamente. “O impulso para a nova Constituição […] surge com essa revolta que foi disparada em 2019. Entre as muitas causas da revolta, um dos fatos que chamam muito atenção e que está presente nas manifestações no Chile desde 2011 é o fato de o Estado não garantir direitos sociais básicos para toda a população, deixando saúde, educação, Previdência e assistência para a iniciativa privada.” Esther explica que também há reinvindicação de maior participação política para mulheres e indígenas.

Se aprovada essa nova Constituição, o Chile deixa de lado o ideário neoliberal e se torna um Estado Social Democrático de Direito, como previsto no artigo primeiro da nova carta. “É uma mudança enorme”, avalia a professora, feita num processo participativo, paritário e democrático, como está dito no preâmbulo da nova Constituição.”

Fonte