Chefe do Comando Sul reitera que os EUA aspiram uma transição pacífica na Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

11 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O chefe do Comando Sul das Forças Armadas dos Estados Unidos, almirante Craig Faller, reiterou durante uma visita ao Panamá que os EUA permanecem em sua política de "uma transição pacífica para um governo legítimo" na Venezuela.

Faller, que tem sido uma das principais figuras do governo do presidente Donald Trump para tornar visível a crise que a nação sul-americana enfrenta, está no Panamá pela quarta vez.

Como parte do compromisso bilateral, as duas nações reafirmaram na quinta-feira que continuarão protegendo os interesses comuns em questões de cooperação, democracia, transparência e proteção dos direitos humanos, de acordo com a mídia local que participou da entrevista coletiva oferecida por Faller.

“O que aconteceu na Venezuela é terrível. Eles viveram sob uma geração de autocratas e a comunidade internacional foi importante para expressar suas preocupações, como as eleições ilegítimas”, disse o alto comando dos Estados Unidos.

Ele também enfatizou que a política dos EUA continua sendo "que haja uma transição pacífica para um governo legítimo, exercendo pressão econômica e diplomática".

Faller também mostrou sua preocupação com o aumento do tráfico de drogas. “Vejo um aumento no tráfico de drogas da Colômbia à Venezuela e de nações do Caribe à América Central e isso é uma preocupação”, disse ele.

Também reiterou sua preocupação com a situação do país sul-americano em temas como a crise migratória, aludindo a cinco milhões de venezuelanos que deixaram o país para escapar da crise em todos os aspectos que sofre a Venezuela.

Durante sua estada no Panamá, Faller destacou a importância que os Estados Unidos atribuem à manutenção da segurança nas fronteiras e destacou o papel do Panamá como líder na região, trabalhando com países como Colômbia e Costa Rica.

O Panamá assinou em 9 de dezembro, junto com outros 20 países membros da Organização dos Estados Americanos (OEA), uma resolução rejeitando as eleições parlamentares realizadas em 6 de dezembro na Venezuela.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit