Cessar-fogo entra em vigor em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

26 de agosto de 2014

Em Moçambique, o cessar-fogo das hostilidades militares foi anunciado domingo à noite pelo deputado e chefe da equipa negocial da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo, maior partido da oposição), Saimone Macuiane, logo depois de assinatura do memorando de entendimento do fim da guerra com o Governo.

O Governo moçambicano, representado pelo ministro da Agricultura e chefe da equipa negocial José Pacheco também anunciou o fim das hostilidades contra guerrilheiros armados da Renamo, com efeitos imediatos, em nome do presidente Armando Guebuza.

A tensão político-militar, caracterizada por ataques armados contra militares e civis, que provocaram mais de duas dezenas de mortos e feridos, durou mais de dois anos, com a Renamo a exigir paridade nos órgãos eleitorais e nos cargos de chefias das Forcas Armadas e Segurança, despartidarização das instituições do Estado e redistribuição da riqueza gerada pela exploração dos recursos minerais, sobretudo gás natural e carvão mineral.

Durante mais de 70 rondas de diálogo político, o Governo cedeu na questão da paridade nos órgãos eleitorais, ida de observadores militares estrangeiros para fiscalizarem o desarmamento dos guerrilheiros da Renamo, mas não aceitou a paridade nos cargos de chefia das Forcas Armadas e Segurança.

O presidente Armando Guebuza pediu com sucesso ao parlamento para aprovar uma lei de amnistia para os guerrilheiros e membros da Renamo detidos ou procurados devido ao seu envolvimento na violência militar ou verbal contra a segurança do Estado.

Observadores nacionais consideram que o fim dos ataques armados e o maior ganho do dialogo, apesar de que faltam ainda dois pontos por concluir: despartidarização das instituições do Estado e redistribuição da riqueza, segundo afirmou Lourenço do Rosário, um dos principais observadores nacionais.

Com o cessar-fogo declarado publicamente, o líder da Renamo poderá sair do esconderijo onde se encontra desde Outubro do ano passado para fazer a campanha eleitoral que começa no próximo domingo.

Dhlakama é um dos três candidatos presidenciais ao lado de Filipe Nyusi (Frente de Libertação de Moçambique, Frelimo) e Daviz Simango (Movimento Democrático de Moçambique, MDM).

Ver também

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati