Governo e Renamo assinam acordo para o fim das hostilidades em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

25 de agosto de 2014

O Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo, maior partido da oposição) assinaram ontem (24) em Maputo (capital de Moçambique), o documento final que garante a cessação das hostilidades militares que desde Março de 2012 tinham como palco a província de Sofala.

O documento foi rubricado pelo chefe da delegação do Governo e ministro da Agricultura, José Pacheco, e o seu homólogo da delegação da Renamo, Saimone Macuiane, deputado na Assembleia da República.

A declaração lida pelo chefe da equipa de mediadores nacionais Lourenço do Rosário será agora visada pelo Presidente da República, Armando Guebuza, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, em cerimónia pública, cuja data deverá ser anunciada muito em breve.

Com a assinatura do documento espera-se que dentro de dias o líder da Renamo, que condicionava a saída do seu esconderijo em Gorongosa à assinatura do mesmo, possa regressar a Maputo e iniciar a campanha eleitoral, cujo arranque está previsto para 31 de Agosto.

Segundo a Agência de Informação de Moçambique (AIM), minutos depois da assinatura do documento, Pacheco disse que havendo necessidade de iniciar a implementação imediata do memorando e como passo subsequente à lei da amnistia impõe-se a declaração recíproca e simultânea do fim das hostilidades.

O chefe da delegação governamental acrescentou ainda que estes confrontos levaram à perda de vidas humanas, mutilação de pessoas e destruição de bens.

Por seu turno, Simone Macuiana afirmou que a paz regressou ao país. Aquele dirigente da oposição disse igualmente que o acordo representa um novo caminho para Moçambique onde as Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) deixarão de ser partidárias e estarão a serviço do Estado, assim como as Forças de Defesa e Segurança.

Antes da consumação do documento final, as partes alcançaram um entendimento traduzido na assinatura do memorando de entendimento, com as garantias para a implementação dos consensos alcançados nas conversações, e os termos de referência da missão dos observadores internacionais, que vão monitorar o desarmamento das forças da Renamo e a integração na defesa e segurança.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati