Cepal: mudanças climáticas poderão custar até 5% do PIB latino-americano

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

22 de setembro de 2014

América Latina

Estimativas apresentadas hoje (22) pela Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal) estimaram que as mudanças climáticas devem custar entre 1,5% e 5% do Produto Interno Bruto (PIB) dos países latino-americanos, caso a previsão de aumento da temperatura global, prevista em 2,5 graus Celsius (°C), seja concretizada. Amanhã (23) será feita a Conferência Mundial sobre o Clima na sede das Organização das Nações Unidas (ONU). "Há dez anos a Cepal estuda os custos econômicos e sociais das mudanças climáticas nos países da América Latina e Caribe e formula recomendações para as políticas públicas", disse hoje, em Nova York, a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena.

Hoje, durante a apresentação do relatório sobre indígenas na América Latina, Alicia conversou com jornalistas sobre como o tema do clima deverá ser abordado na conferência de amanhã. Ela falou que é importante debater o tema e pensar em ações para curto, médio e longo prazo, ainda que os estudos agora não são precisos.

"Os cálculos ainda são preliminares e têm um alto nível de incerteza, porque não incorporam todos os efeitos potenciais e nem os possíveis resultados das ações de adaptação", agregou. A Cepal informou ainda que a América Latina e o Caribe, embora tenham uma contribuição menor nas mudanças climáticas que países desenvolvidos, a região é particularmente suscetível aos seus efeitos.

O maior impacto latino-americano vem da emissão de gases na atmosfera (efeito estufa). A região é responsável por 9% do total global deste tipo de emissão, com uma taxa de crescimento anual de 0,6% entre 1990 e 2011. "A característica principal é que as emissões provêm da mudança do uso do solo, do desmatamento e da agricultura", disse a secretária executiva da Cepal. Amanhã na Conferência do Clima, chefes de estado e de governo dos países membros da ONU irão debater o tema. A presidenta Dilma Roussef estará presente no evento.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati