Cantor brasileiro Wando morre aos 66 anos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de fevereiro de 2012

Brasil — Morreu na manhã de hoje aos 66 anos, o cantor brasileiro Wanderley Alves dos Reis, mais conhecido como Wando, no hospital Biocor Instituto, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (capital do Estado de Minas Gerais). Wando vinha sofrendo de complicações cardíacas e será enterrado amanhã.

O músico brasileiro estava internado desde o dia 27 de janeiro após ser diagnosticado de entupimento das três artérias coronárias e foi submetido a duas cirurgias. Wando chegou a ficar em estado grave, na UTI, respirando com a ajuda de aparelhos. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital na madrugada de hoje, a situação piorou após alguns dias de melhorar e às 8 horas da manhã (horário de Brasília) após ter parada cardíaca.

Wando ganhou projeção pelo sucesso entre o público feminino, que atirava calcinhas no palco durante o show, ao som de canções que falavam de amor, mulher e sexo. Dentre os sucessos, destaca-se "Fogo e Paixão", famosa pelo refrão “Você é luz, é raio estrela e luar. Manhã de sol, meu iaiá, meu ioiô”.

Biografia[editar]

Nascido Wanderley Alves dos Reis na pequena cidade de Cajuri, no interior de Minas Gerais, em 2 de outubro de 1945, Wando passou a infância em Juiz de Fora, também em Minas Gerais. Já adolescente, se mudou para Volta Redonda (Rio de Janeiro), onde foi vendedor de jornal, entregador de leite, feirante e motorista de caminhão. Lá, começou a estudar violão clássico, mas percebeu que procurava algo diferente.

A carreira só engatou quando Wando se mudou para a cidade mineira de Congonhas do Campo, onde morou por cinco anos em uma república de estudantes. Ali, participou do grupo musical Escaravelhos até ser descoberto pelo cantor Nilo Amaro, da banda Cantores de Ébano. Já em contato com gravadoras, foi morar na cidade do Rio para tentar a sorte como compositor, sem muito sucesso, seguindo para São Paulo.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati