Canibal alemão diz que vítima foi voluntária

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de abril de 2005

Sim, ele cortou e comeu outro ser humano, mas não sem o consentimento expresso da vítima é o que diz a defesa de Armin Meiwes, conhecido como "o canibal alemão".

Meiwes foi condenado a 8 ½ anos de prisão pelo assassinato e por ter devorado outro ser humano, Bernd Juergen Brandes, na Alemanha. Meiwes argumenta que a vítima se apresentou como voluntária para ser comida, em resposta a um pedido feito na Internet.

Um testemunho no caso mostrou que Brandes desejou de fato morrer depois de ingerir uma garrafa de remédio para perder a consciência.

Brandes “veio de livre e expontânea vontade para acabar com a própria vida,” disse Meiwes. Ele acredita que as suas ações foram um ato de clemência, não de carnificina.

O Tribunal Constitucional Federal da Alemanha, o tribunal de maior autoridade no país, está a rever a condenação de janeiro de 2004. O julgamento obteve notoriedade devido às descrições violentas que Meiwes deu durante o desenrolar do caso, assim como pela exibição de um horrível vídeo aos juizes, em sessão fechada.

Meiwes busca uma redução da pena em 5 anos. A promotoria pede que ele seja condenado à prisão perpétua.

O tribunal deve decidir a pena por volta de 22 de abril.

Fontes