COVID-19: 66% dos britânicos querem que escolas fiquem abertas durante novo lockdown

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de outubro de 2020

66% dos britânicos que têm crianças em casa preferem que as escolas e creches fiquem abertas durantes um novo lockdown devido a Covid-19. Este número é menor entre os que não têm filhos: 55%.

O número também é menor entre homens (63%) do que entre as mulheres (76%).

Os dados são o instituto de pesquisas You Gov.

Veja as prioridades dos britânicos para ao que deve ficar aberto

  1. Escolas e creches: 66%
  2. Universidades: 39%
  3. Escritórios: 34%
  4. Restaurantes e cafés: 23%
  5. Pubs: 11%

Novo lockdown

O primeiro-ministro Boris Johnson disse no dia 16 de outubro que situação estava sendo monitorada com os governantes de diversas cidades e regiões que haviam alcançado um nível de alerta "muito alto", entre elas Londres, Manchester, Lancashire e Merseyside. "Foram decisões difíceis. Ninguém quer ter de implementar estas medidas que prejudicam as empresas locais, restringem a liberdade individual e impõem tensões significativas à saúde mental das pessoas. Mas essas decisões foram necessárias devido à taxa de aumento não apenas de infecções, mas também de hospitalizações e internações em terapia intensiva. Sem ação, não há dúvida de que nosso NHS em breve lutaria para tratar o grande número de pessoas gravemente doentes com Covid", disse durante a coletiva de imprensa.

Boris também exortou o prefeito de Manchester, que se negava a apoiar as novas restrições, a colaborar de "forma construtiva", dizendo que segundo "as tendências atuais, em pouco mais de 2 semanas haverá mais pacientes Covid na terapia intensiva do que no pico da primeira onda. (...) Portanto, exorto o prefeito a reconsiderar e se envolver. (...) Claro, se não for possível chegar a um acordo, terei de intervir para proteger os hospitais de Manchester e salvar as vidas dos residentes", completou

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com