Câmara dos deputados brasileira comemora Dia Internacional da Síndrome de Down

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

22 de março de 2011

Brasília — Em comemoração ao Dia Internacional da Síndrome de Down, a Câmara dos Deputados promoveu ontem (21) um debate para buscar saídas que visem a acabar com o preconceito e que ajudem na inclusão dos portadores no meio social. O ato contou com a presença de parlamentares, representantes do Judiciário e pessoas com a síndrome e seus parentes.

O deputado Romário (PSB-RJ), que chegou com sua filha, Ivy Bittencourt, de 6 anos, que tem a síndrome, falou da angústia que viveu ao saber que ela tinha Down. Ele afirmou que superou aquela fase e que Ivy o tornou uma pessoa melhor e menos egoísta. “O ato de hoje é para mostrar que os portadores da síndrome são mais normais do que a gente”. Segundo ele, os portadores da síndrome são pessoas especiais e só precisam de carinho e inclusão.

O parlamentar carioca disse que há vários projetos na Câmara para beneficiar os portadores de Down e que vai trabalhar para aprová-los. “Não basta formular leis. Precisamos preparar as escolas e os educadores para acolher as crianças com Down. O nascimentos da Ivy me ensinou que a verdadeira deficiência é a ignorância e o preconceito.”

O senador Lindberg Farias (PT-RJ), que tem uma filha de nove meses com a síndrome, disse que o Senado formou uma comissão especial para regulamentar a Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Segundo ele, o Brasil precisa oferecer trabalho, ensino e diversão e outras formas de inclusão social para as pessoas com a síndrome.

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, esteve no evento acompanhado do seu irmão José Eduardo, que tem síndrome. Junto do irmão, saudou o ato e disse: “É uma outra forma de inteligência. Temos que defender sempre o espírito da Constituição Federal de promover a igualdade e a dignidade humana”. O ministro falou da importância do evento e lembrou que o preconceito impede avanços quanto aos direitos dos portadores da síndrome.

Durante todo o evento, palestrantes e portadores da síndrome defenderam políticas e medidas que ajudem a superar o preconceito e que contribuam para a inclusão social dos portadores de Down. Ocorreram várias apresentações artísticas, em que os artistas eram os próprios excepcionais, como apresentação de danças e bandas musicais. Um dos momentos mais emocionantes foi a apresentação da banda rítmica da Sociedade Educacional Juliano Varela, de Campo Grande (MS), que executou várias músicas ao final da sessão.

Fontes

Reportagem original
Esta notícia contém reportagem original de um Wikicolaborador. Veja a página de discussão para mais detalhes.
Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com