Brasileiros criticam Dilma Rousseff no caso Petrobras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Pesquisa do Instituto Datafolha aponta que 77 por cento dos entrevistados acreditam que a presidente sabia de todo o esquema de corrupção na petrolífera estatal.

9 de fevereiro de 2015

No Brasil, a troca da presidência da petrolífera estatal Petrobras, na última semana, não impediu que o brasileiro criticasse em massa a postura da presidenta Dilma Rousseff na crise sem precedentes que atinge a empresa brasileira.

Uma pesquisa do Instituto Datafolha aponta que 77% (por cento) dos entrevistados acreditam que a Presidenta sabia de todo o esquema de corrupção na petroleira. De acordo com o mesmo levantamento, 47 por cento dos brasileiros consideram a Presidente desonesta e 54% acham que ela é falsa.

A popularidade da petista caiu depois das denúncias de corrupção e do anúncio de um balanço negativo da estatal. Hoje, o Governo Dilma Rousseff é avaliado de forma muito negativa por 44 por cento dos brasileiros. É o índice superior ao auge dos protestos de junho de 2013, que chegou aos 34%.

Para analistas, a nova direção da petroleira tem o dever de dar certo, como forma de minimizar, pelo menos um pouco, o estrago que o caso provocou no Governo Dilma Rousseff.

A tarefa para o actual presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, substituto de Graça Foster, é das mais difíceis. Para o economista, ex-ministro Maílson da Nóbrega (que apareceu na propaganda eleitoral do ano passando dando apoio à candidata que seria reeleita), ele terá que conseguir, o mais rápido possível recuperar a confiança do mercado na estatal. "A tarefa daqui para frente é gigantesca. O objetivo é recuperar a credibilidade. O primeiro sinal disso é escolher uma diretoria que inspire confiança. Com a confiança minimamente restabelecida aí tem todo um trabalho de gerenciar o tamanho dessa crise”, afirma o analista. “Você tem problemas internos e externos. A Petrobras vai enfrentar nos Estados Unidos três processos simultâneos, o que é quase inédito,"completa Nóbrega.

O economista Paulo Feldman concorda que serão necessárias várias medidas ao mesmo tempo para retirar a estatal brasileira do fundo do poço. "È necessário acabar com toda a interferência política. Não pode mais ter cargo de confiança na empresa. Ninguém pode ser mais indicado porque é ligado a partido A, B ou C. As pessoas todas têm que ocupar os seus cargos por competência técnica," afirma.

E os desafios não param por aí, como lembra o especialista. Fazer outras licitações para obras afectadas pelo escândalo de corrupção na estatal é um deles. "As obras ficaram paradas porque os empreiteiros foram presos, as empresas foram declaradas inidôneas. Então não tem como continuar com as obras e algumas eram muito importantes," lembra Feldman.

O analista lembra, ainda, que além de salvar a Petrobrás do desgaste sofrido, o Governo Dilma precisa impedir crises parecidas com outras estatais. "Agora, a presidente deveria impor um auditoria muito severa e ela é quem deveria ter essa iniciativa. Fazer com que a Controladoria Geral da União fique em cima das outras estatais. Seria importante que ela levasse à frente, antes que outros descubram, investigações parecidas. A gente sabe que isso não acontecia só na Petrobrás. Que o caso da Petrobras sirva de exemplo para que se instaure sindicâncias desde já em todas as outras empresas e na própria máquina do Governo", concluiu Feldman.

Notícia Relacionada

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati