Brasileiro acusado de evasão de divisas é preso na República Checa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de agosto de 2005

Brasil

Hélio Renato Laniado foi preso na terça-feira (16) no aeroporto Internacional de Praga por agentes da Interpol. Laniado estava foragido desde o dia 4 de abril, quando foi decretada sua prisão preventiva pela Justiça Federal brasileira. Ele é acusado de praticar crime de evasão de divisas através de contas CC5. As contas CC-5 são contas correntes de pessoas físicas e jurídicas que não moram no Brasil e são utilizadas oficialmente para enviar dinheiro para fora do país.

As investigações que apontaram Laniado como responsável pelo envio de cerca de 1,2 bilhão de dólares para contas no exterior surgiram durante inquérito do Banco Banestado. Ele é acusado de participar de um esquema no Banestado que resultou na evasão ilegal de US$ 30 bilhões para os Estados Unidos da América e países considerados paraísos fiscais.

A operação internacional que resultou na localização e prisão de Laniado foi iniciada pelo Departamento de Polícia Federal, que representa os interesses da Interpol no Brasil. Entraram em ação as representações da Interpol em Israel, Portugal, Holanda e República Checa, país onde se deu a prisão.

CPI do Banestado

Paralelamente às investigações da polícia e do ministério público, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que ficou conhecida como CPI do Banestado funcionou em 2004, para investigar a evasão de divisas para o exterior. O relator da CPI foi o deputado José Mentor do Partido dos Trabalhadores (PT), o qual teve uma atuação bastante criticada. Ele fez sumir, sem nenhuma justificativa, qualquer menção ao Banco Rural no relatório final da CPI.

Recentemente, a CPI dos Correios, que investiga o mensalão e o escândalo dos Correios, descobriu no meio dos documentos que recebeu do Banco do Brasil um cheque do empresário Marcos Valério (envolvido no escândalo do mensalão) para Mentor, datado de 27 de julho de 2004. Nessa época, Mentor era ainda relator da CPI do Banestado.

Fontes