Brasil sedia primeira cúpula da Comunidade Sul-Americana de Nações

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lula fala na abertura da 1ª Reunião de Chefes de Estado da Comunidade Sul-americana de Nações (Casa). Foto Valter Campanato/ABr.

1 de outubro de 2005

Brasil

Sexta-feira (30), em Brasília, o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu a primeira reunião de cúpula da Comunidade Sul-Americana de Nações (Casa).

Vieram ao encontro Presidentes e representantes de 12 países da América do Sul: Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.

Os Presidentes da Colômbia, Guiana, Suriname e Uruguai não compareceram, e enviaram representantes. O Presidente da Argentina, Néstor Kirchner veio à Brasília, mas voltou para seu país antes da abertura oficial.

No discurso inaugural de reunião da Casa, Lula disse: "A Comunidade Sul-Americana de Nações é muito mais do que uma construção política e jurídica, fruto de voluntarismo. Somos 350 milhões de homens e mulheres, determinados a realizar todas as potencialidades de uma região dotada de imensos recursos naturais e humanos."

Kirshner não assistiu à abertura do encontro. Foto: Marcello Casal Jr/ABr.

Lula lembrou o encontro realizado no Peru: "Estamos reunidos aqui para aprofundar os compromissos que assumimos em Cusco, em dezembro passado. Naquela ocasião, lançamos as bases da Comunidade Sul-Americana de Nações. Afiançamos nossa convicção em uma história compartilhada, em um destino comum. Estamos decididos a concretizar um sonho de integração e unidade que animou os próceres de nossa independência. Vencemos o ceticismo e os preconceitos."

Ao terminar sua fala o Presidente brasileiro pediu mais acção: "É necessário menos retórica e mais acção. Por essa razão, trouxemos para este nosso encontro uma pauta de questões concretas e cruciais para o futuro de nossos países e de nossa região. Elas expressam a visão estratégica que estamos desenvolvendo sobre o nosso Continente."

O Presidente do Peru, Alejandro Toledo defendeu a integração Sul-Americana: "Precisamos fortalecer nossos pontos de coincidência e melhorá-los. Mas também temos que respeitar e ter suficiente grau de tolerância para diminuir nossas diferenças".

Toledo disse que a América do Sul não precisa esperar tanto tempo, assim como aconteceu com a União Europeia, que precisou de 40 anos para consolidar-se.

Os participantes da primeira reunião de cúpula da Comunidade Sul-Americana de Nações (Casa) discutiram questões econômicas, infra-estrutura, integração física e energética, cultura, meios de comunicação, meio-ambiente e problemas sociais.

Os países sul-americanos também concordaram em seguir uma sugestão dada a Lula pelo Presidente da Nigéria, Olosegun Obasanjo, em abril, e participar de um encontro com os integrantes da Comunidade e países da União Africana.

Chavez nega-se a assinar declaração final da Casa

Cháves:"Não me peçam para aprovarmos algo com o que não estamos de acordo". Foto: Marcello Casal Jr/ABr.

O Presidente da Venezuela Hugo Chávez recusou-a a assinar a declaração final da primeira reunião de Chefes de Estado da Comunidade Sul-Americana de Nações (Casa).

Chávez afirmou: "Não me peçam para aprovarmos algo com o que não estamos de acordo”. Segundo o Presidente venezuelano a cúpula estava "começando muito mal repetindo esquemas fracassados".

Para Hugo Chávez os encontros da Casa estariam a ser semelhantes às reuniões das Nações Unidas, que na sua visão estabeleceram as Metas do Milênio, porém sem definir métodos e prazos.

O Presidente venezuelano citou uma proposta apresentada com o Presidente uruguaio Tabaré Vazquez, com o objetivo de criar uma Comissão Sul, a qual encarregar-se-ia de definir um Plano Estratégico 2005-2010 de integração sul-americana.

O presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, criticaram a postura de Chávez.

O ministro brasileiro alegou que o texto era apenas uma declaração política. Ele lembrou que sem a existência de qualquer documento, mesmo que provisório, não seria possível começar o debate.

Amorim afirmou que apesar de a declaração ser vaga ela tornaria possível a realização de novas reuniões e que a sua não aprovação prejudicaria a formação da Comunidade Sul-americana de Nações.

Chávez retrucou que "a falta de debate é que pode causar sérios danos" à Comunidade.

Lula disse que a Comunidade poderia se reunir dentro de 90 dias para discutir questões práticas. E propôs que esse encontro poderia acontecer na próxima reunião do Mercosul, em 8 de dezembro.

Após os apelos de Lula e de Amorim, Chávez concordou em assinar a declaração final da Casa.


Página externa

Fontes